Política Fundação Mário Soares "aperta o cinto" para sobreviver

Fundação Mário Soares "aperta o cinto" para sobreviver

Cortar nas gorduras e redireccionar actividade são essenciais para que a actividade da fundação perdure, reconhece o administrador Carlos Monjardino ao Expresso. Era mais fácil obter receitas quando Soares era vivo, admite.
Fundação Mário Soares "aperta o cinto" para sobreviver
Correio da Manhã
Negócios 25 de novembro de 2017 às 11:11
A fundação criada pelo antigo Presidente da República Mário Soares, e que leva o seu nome, continua a braços com prejuízos e poderá ter o seu futuro em risco, pelo que vai ter de sofrer algumas reduções drásticas.

Segundo avança o Expresso (acesso pago) este sábado, 25 de Novembro, há menos dinheiro e a fundação tem de ser recentrada nos seus objectivos centrais, segundo disse ao periódico o vogal da administração da fundação, Carlos Monjardino.

Reconhecendo que a morte do antigo chefe de Estado reduziu os fluxos de financiamento para a entidade, Monjardino adianta que será feita uma "gestão cautelosa para que a fundação perdure."

Desde logo, cortando "algumas gorduras" na fundação que faz 22 anos de actividade em Março do ano que vem e que registou resultados negativos de mais de 280 mil euros no ano passado. 



A sua opinião19
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

A receita fiscal cresce como fruto da extorsão perpetrada a todos aqueles que inovam, investem ou empreendem para criar valor indo ao encontro da procura existente no mercado cada vez mais globalizado e tecnologicamente avançado. É a lógica do parasita assassino que mata o hospedeiro e migra para outro que encontre de seguida. Cuidado que o hospedeiro UE-FMI pode da próxima vez já ter adquirido a imunidade. Faz parte do processo evolutivo que leva à extinção os mais inadaptados e anacrónicos. Portugal, enquanto parasita dotado desta genética da geringonça, é espécie daninha em vias de extinção. As fundações da geringonça não fugirão certamente à regra.

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Grupo BES atribuiu à Fundação Mário Soares 570 mil euros, desde 2011, no âmbito da Lei do Mecenato.
A perda de doações de mecenas, entre eles Joaquim Lalanda de Castro, contribuiu para estes resultados. O dono da Octapharma é arguido na Operação Marquês.

Anónimo Há 2 semanas

Nem sei our hei-de dizer.Se existe alguém com bom senso.Que feche a Fundação... Caso contrário,será o povo a suportar mais uma vez os custos desta...

Rebentai com a Fundação Mário Soares! Há 2 semanas

Mário Soares ia visitar particularmente o preso 44 corrupto a Évora, no carro atribuído pelo Estado, pago por todos nós, com o dinheiro dos contribuintes! Mário Soares foi o maior CHULO de Portugal, maior ainda q o Sócrates gatuno! Sócrates fez e faz uma vida faustosa sem se conhecer rendimentos!

Anónimo Há 2 semanas

O povo deve exigir a herança patrimonial do Mário Soares.

ver mais comentários