Finanças Públicas Fundo da Zona Euro estima ter poupado 1,3 mil milhões a Portugal em 2016

Fundo da Zona Euro estima ter poupado 1,3 mil milhões a Portugal em 2016

Este é o resultado das taxas de juro inferiores cobradas ao país pelo fundo de resgate da Zona Euro, que é o maior credor de Portugal. Desde 2011, poupanças ultrapassam os 5,6 mil milhões de euros.
Fundo da Zona Euro estima ter poupado 1,3 mil milhões a Portugal em 2016
Bloomberg
Rui Peres Jorge 15 de junho de 2017 às 15:15
As taxas de juro mais baixas cobradas ao país pelos 26 mil milhões de euros emprestados pelo Fundo de Resgate da Zona Euro garantiram em 2016 poupanças de 1,3 mil milhões de euros (0,7% do PIB) aos cofres do Estado, isto quando comparado com o que teria sido o custo de financiamento em mercado. A estimativa surge no relatório anual do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), publicado esta quinta-feira, 15 de Junho, no qual estima ainda que, desde 2011, estas poupanças já ascendam a 5,6 mil milhões de euros (3,2% do PIB).

As "poupanças são significativas para todos os países de programa, especialmente no pico da crise. A Grécia foi o país que mais beneficiou, com as poupanças orçamentais a atingirem os 5,6% do PIB dos empréstimos do Fundo Europeu de Estabilidade financeira [o primeiro fundo de resgate que financiou a Grécia, Irlanda e Portugal e deu lugar ao MEE] e do Mecanismo Europeu de Estabilidade e outros 0,7% em poupanças da moratória sobre o pagamento de juros que só se verificará em 2022. Para os restantes países do programa os benefícios permanecem, embora de menor magnitude, uma vez que os países garantiram o acesso aos mercados e saíram com sucesso dos seus programas", lê-se no documento. As poupanças em 2016 para a Irlanda foram de 0,3% do PIB, para a Espanha de 0,2% do PIB e para Chipre ascenderam a 2,1% do PIB.

Ao garantir juros baixos e maturidades longas nos empréstimos, o MEE entende estar a dar um contributo relevante para a sustentabilidade da dívida pública dos países resgatados, uma vez que ajuda a reduzir substancialmente as necessidades de financiamento dos países. A investigação desenvolvida por economistas do mecanismo conclui que a percepção dos mercados sobre a sustentabilidade da dívida é influenciada não só pelo nível de endividamento, mas também pelas necessidades de financiamento anuais, em particular quando o ‘stock’ de dívida ultrapassa os 60% do PIB.

"Os resultados [da investigação] têm duas implicações importantes. Primeiro, reforçam a necessidade de monitorizar de perto os fluxos de dívida, especialmente para países que níveis de dívida acima dos 60% do PIB definidos no Tratado Europeu. Em segundo lugar, os resultados indicam que as condições de financiamento do MEE, que reduzem fortemente as necessidade de financiamento porque a necessidade de refinanciar dívida é menor, mantêm os 'spreads' reduzidos e ajudam a tornar o acesso aos mercados acessível e comportável", lê-se no relatório.



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 15.06.2017

Repúblicas das Bananas como a Grécia e Portugal não tem credibilidade nem autonomia económico-financeira porque não tem tido políticas que permitam a criação, captação e fixação do melhor e mais adequado talento e capital disponível nos mercados globais de talento e capital. Sem flexibilização dos mercados laborais e fortalecimento dos mercados de capitais portugueses, Portugal nunca vai participar nas revoluções industriais como actor principal, secundário ou mesmo figurante. Será eternamente o expectador que chega ao evento sempre perto do acto final e por isso fica sem perceber o pouco daquilo que viu.

pertinaz 15.06.2017

ESTÃO ENGANADOS... O CENTINO É O NOSSO HERÓI QUE NOS POUPOU BILIÕES... ANEDOTA...

Conselheiro de Trump 15.06.2017

Reformas em portugal e com este governo,e gajo e BURRO.O que se assistiu e com frequencia foram pensoes e na idade tenra mas so na funcao publica.O belga arranjou trabalho na funcao publica(mais uma de nos deixar de boca aberta),este deve vir a mesma sorte.

ANDARAM A GOZAR COM O BCP 15.06.2017

ANDARAM TODA A SEMANA A GOZAR E A MARRAR O MILENIUM BCP PARA BAIXO MAS AMANHÃ QUANDO A FINTCH SUBIR OS RATINGS DO BCP E DE PORTUGAL VAMOS VER QUEM È QUE BRINCA

ver mais comentários
pub