Fundos comunitários Fundos europeus "puxam" investimento de 5 mil milhões

Fundos europeus "puxam" investimento de 5 mil milhões

O Orçamento do Estado para 2017 define uma meta de execução dos Fundos de Coesão de 16%, que se possa traduzir num investimento total de cinco mil milhões de euros.
Fundos europeus "puxam" investimento de 5 mil milhões
Bruno Simão
Negócios 14 de Outubro de 2016 às 23:02
No documento da proposta de Orçamento do Estado para 2017 o Governo define as metas para a utilização dos fundos europeus. Nomeadamente a sua taxa de execução e o investimento induzido.

"A dinamização do investimento na economia nacional será ainda acelerada através da utilização dos fundos estruturais e de investimento europeus, estimando-se uma execução de cerca de 16% em 2017 do valor total programado (Fundos de Coesão), o que induzirá um investimento total estimado superior a 5 mil milhões de euros durante o próximo ano", pode ler-se no documento. 

A taxa de execução estimada representa um aumento de dois pontos percentuais face à execução registada no período homólogo do QREN, segundo os dados divulgados pelo Executivo

 

O Governo promoverá, nesse sentido, "um conjunto de medidas, como a majoração das taxas de cofinanciamento ou a aprovação de operações em montantes superiores aos previstos, tendo por base a agilização de processos e procedimentos". 

 

Para além de uma desejada aceleração e antecipação da execução destes fundos, o Orçamento do Estado "contempla [também] uma dotação específica, centralizada no Ministério das Finanças, que foi criada exclusivamente para o reforço da contrapartida pública nacional em projectos financiados pelo Portugal 2020 visando, assim, garantir a contrapartida financeira necessária a maximizar a execução dos programas comunitários". 

Ainda neste âmbito, "o Governo dará início a uma avaliação estratégica do uso dos fundos estruturais, tendo em conta a adequação com a política do Governo, em geral, e com as prioridades do Programa Nacional de Reformas, em especial. Deste exercício, resultará uma reorientação programática do Portugal 2020".




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Manuel Nelson Bouças Há 3 semanas

Então mas 'eles' não são contra a Europa? ??????

comentários mais recentes
Manuel Nelson Bouças Há 3 semanas

Então mas 'eles' não são contra a Europa? ??????

Nuno Alves Há 3 semanas

Ohoh.

Antonio Sousa Há 3 semanas

http://observador.pt/2016/10/14/governo-pede-maior-limite-de-endividamento-no-proximo-ano/

Serip Rotiv Há 3 semanas

O Passas fez melhor.... Viu se .... Era rectificativo atrás de rectificativo e taxa de execução de fundos nula....

pub
pub
pub
pub