Américas Furacão Harvey pode ter provocado até 16 mil milhões de prejuízos

Furacão Harvey pode ter provocado até 16 mil milhões de prejuízos

Ainda assim, o valor a suportar pelas seguradoras deverá ficar abaixo das perdas geradas pelo Sandy ou pelo Katrina, estimam os especialistas.
Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters
Paulo Zacarias Gomes 28 de agosto de 2017 às 15:15

Os danos provocados pelo furacão Harvey, que este fim-de-semana afectou o estado norte-americano do Texas e cujos efeitos ainda se fazem sentir, poderão ser contabilizados entre 10 e 20 mil milhões de dólares (entre 8,37 mil e 16,75 mil milhões de euros) de prejuízos, estima o JPMorgan.

Segundo o banco, este será um dos 10 fenómenos climatéricos com maior impacto histórico na indústria seguradora dos EUA, absorvendo em valor quase um trimestre de lucros deste sector.

Na nota enviada aos clientes, o banco refere que as seguradoras State Farm, Allstate e Farmers têm as maiores quotas de mercado no seguro de habitações e comércio na região afectada pelo furacão.

"O Harvey parece ser mais um evento de inundação e pensamos que as estimativas de perdas estão a ser mal interpretadas. (...) Embora as inundações não sejam cobertas pelo seguro do proprietário (mas sim por seguros vendidos pelo governo), estão cobertas por seguro comercial e podem resultar em perdas significativas para as resseguradoras e seguradoras comerciais," refere a analista Sarah DeWitt, que assina a nota do JPMorgan, citada pela CNBC.


A acções do sector segurador negoceiam em queda em Wall Street. Os títulos da Travelers recuam 2,59%, as grupo ressegurador Everest recuam 2,86% e as da Renaissance Re caem 1,8%. A Hartford Financial Services Group recua 1,9% ao passo que a Allstate recua 1,33%. 

O furacão Ike, que atingiu território norte-americano em 2008, com categoria 2, resultou em prejuízos cobertos pelas seguradoras no valor de 13 mil milhões de dólares. A resseguradora Hannover Re, uma das maiores do mundo, estima que os prejuízos do Harvey fiquem abaixo dos causados em 2005 pelo Katrina - que matou 1.800 pessoas, afectando sobretudo Nova Orleães - ou o Sandy, em 2012, em Nova Iorque. Estes dois fenómenos geraram, respectivamente, perdas de 80 mil milhões e 36 mil milhões de dólares.

O Harvey, inicialmente de categoria 4, foi entretanto revisto para tempestade tropical mas os seus efeitos continuam a fazer-se sentir, sobretudo em Houston e Galveston.

Os serviços de emergência norte-americanos estimam que, em resultado das chuvas e da destruição causada pelos ventos, 450 mil pessoas venham a recorrer aos serviços de auxílio, 30 mil das quais terão de ser reencaminhadas para abrigos provisórios.

Este é o furacão mais poderoso a assolar o estado do Texas em mais de 50 anos, tendo feito pelo menos dois mortos. Escolas, aeroportos e escritórios na zona afectada estão encerrados esta segunda-feira, depois de as chuvas torrenciais terem inundado áreas num raio de 240 quilómetros, segundo a Reuters.

(Notícia actualizada às 15:22 com cotações das seguradoras)




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

É bom para o negócio.
novos edifícios, novos arruamentos, novos equipamentos, mais emprego...

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

É bom para o negócio.
novos edifícios, novos arruamentos, novos equipamentos, mais emprego...

Anónimo Há 3 semanas

O presidente que os americanos elegeram, um tal de Trump, não assinou o tratado de Paris. As chuvas torrenciais, são apenas uma amostra do que aí vem. Os americanos que elegeram o Trump que se aguentem!!!

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub