Política Galamba: fim da sobretaxa é gradual "por escolha política"

Galamba: fim da sobretaxa é gradual "por escolha política"

O porta-voz do PS garante que "não há qualquer brutal aumento de impostos". "Não é o Orçamento do Estado que o PSD e o CDS disseram que ia ser", frisou João Galamba.
Galamba: fim da sobretaxa é gradual "por escolha política"
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 14 de Outubro de 2016 às 22:26

João Galamba admite que, na proposta do Orçamento do Estado para o próximo ano, não é cumprido o que constava no Orçamento do Estado de 2016 em relação à eliminação da sobretaxa. Contudo, defende que o compromisso inicial do PS, de acabar com a sobretaxa em dois anos, vai ser obedecido.

 

O OE deste ano previa que, no arranque de 2017, já ninguém teria, no seu vencimento, qualquer sobretaxa em sede de IRS. Contudo, não é isso que se vê no documento que rege as contas públicas do próximo ano, havendo apenas um fim faseado daquela sobretaxa ao longo do próximo ano, mais tardio para os rendimentos mais altos.

 

A diferença deve-se a "razões de escolha política e à necessidade de financiar outras políticas", acrescentou o porta-voz socialista em declarações transmitidas pela RTP3.

 

João Galamba declarou que, apesar dessa inscrição no Orçamento do Estado para 2016, o PS sempre defendeu que a sobretaxa iria acabar em dois anos: 2016 e 2017. "É o compromisso que estabelecemos", ressalvou dizendo que, mesmo assim, acabará dois anos antes do que se estivesse o Governo PSD/CDS no poder, "que só acabaria com ela em 2019".

 

"Não é o Orçamento do Estado que o PSD e o CDS disseram que ia ser, como todos os portugueses poderão constatar. Não há qualquer brutal aumento de impostos. É algo que deixámos para trás", frisou João Galamba aos jornalistas, acrescentando a existência de medidas de maior "justiça" social ao devolver-se "rendimentos", com "incidência nos pensionistas mais pobres" que não foram actualizadas nos últimos anos. O aumento de 10 euros das pensões exclui as que foram actualizadas no Executivo de Passos Coelho. 

 



A sua opinião29
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


PS . BE . PCP são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.

comentários mais recentes
Calem o Galamba do brinco! Há 3 semanas

Galamba devia fazer companhia ao Lello, não anda cá a fazer nada, anda a defender o indefençavel! A sobretaxa não acaba em 2017 e ponto final! Não adianta aldrabar! Galamba é um m*erdas q não sabe o q diz! Parasita de um raio, desaparece seu punhetas!

O PCP e BE andam a engolir grandes sapões!!! Há 3 semanas

Galamba é um piolhoso! Então a sobretaxa não era para acabar a 1 de Janeiro de 2017?, Continua! Para reverter os cortes aos FP e pensionistas já aumentaram 9 impostos e criaram mais 2! Ora, aqui está a governança dos geringonceiros! Dão com uma mão a alguns e tiram com as manápulas a todos!

Óh galamba tiro o brinco és um burro aos coices! Há 3 semanas

Galamba é um parasita, a engodar sobre a sobretaxa!!! Parasita do c*aralho, com o brinco no cima da orelha, mais parece um drogadito!! E que castigo sermos governados por estas abéculas!

Anónimo Há 3 semanas


PS - PCP - BE -- FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


Novas pensões mínimas serão sujeitas a prova de rendimento...

para se gastar mais dinheiros com os subsídios às pensões douradas da CGA.


(As pensões da CGA são subsidiadas em 500€, 1000€, 1500€ e mais, por mês.

Estas pensões sim, devem ser sujeitas a condição de recursos.

E não as mínimas.)


ver mais comentários
pub
pub
pub
pub