Saúde Genéricos alcançam valor recorde em Julho com 47,8% da quota de medicamentos

Genéricos alcançam valor recorde em Julho com 47,8% da quota de medicamentos

Os medicamentos genéricos alcançaram um recorde de utilização em Julho deste ano, passando para 47,8% da quota de medicamentos vendidos, segundo dados hoje divulgados pela Autoridade do Medicamento (Infarmed).
Genéricos alcançam valor recorde em Julho com 47,8% da quota de medicamentos
Correio da Manhã
Lusa 01 de setembro de 2017 às 18:08

Em Janeiro deste ano a quota dos genéricos era de 47,1%, tendo passado para 47,8% em Julho, de acordo com dados do Infarmed que ainda são provisórios. 

 

De acordo com fonte oficial do Infarmed contactada pela Lusa, os 47,8% de quota atingidos em Julho são um valor recorde.

 

A subida da quota de embalagens vendidas em 0,7% num semestre deveu-se, segundo a Autoridade do Medicamento, ao envolvimento dos médicos, farmacêuticos e doentes.

 

Podem ter contribuído para este aumento também medidas recentes como a do pagamento de um incentivo de 35 cêntimos por cada embalagem dispensada na farmácia. 

 

O objectivo é que os genéricos alcancem 50% da quota de medicamentos vendidos em Portugal.

 

A quota de medicamentos genéricos "veio contribuir para a redução da despesa dos utentes com medicamentos, que atingiu cerca de oito milhões de euros nos últimos dois anos".

 

Entre Janeiro e Julho de 2017, os utentes gastaram 407,6 milhões de euros com medicamentos, menos 7,8 milhões de euros face ao mesmo período de 2015.

 

"Ao tratar com medicamentos que têm a mesma composição, efeitos, qualidade e segurança, mas que são mais baratos, contribui-se para uma melhor gestão dos recursos disponíveis permitindo que mais doentes, aqueles que necessitam, tenham acesso aos medicamentos verdadeiramente inovadores", refere o Infarmed.






A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub