Política "Geringonça" dificultou tarefa de Marcelo convencer empresários a investir em Portugal

"Geringonça" dificultou tarefa de Marcelo convencer empresários a investir em Portugal

"Vários investidores internacionais e alguns, não todos, não muitos, internos, sistematicamente tinham muitas dúvidas sobre o cumprimento dos compromissos europeus," revela o Presidente da República em entrevista à TSF.
"Geringonça" dificultou tarefa de Marcelo convencer empresários a investir em Portugal
Lusa 15 de março de 2017 às 08:48
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse hoje que no início do seu mandato teve dificuldades em convencer os empresários, nomeadamente estrangeiros, a investir em Portugal e a confiar na estabilidade do país.

Em entrevista hoje à rádio TSF e quando questionado sobre a existência de preconceito ideológico por causa de um governo apoiado pelo PCP e Bloco de Esquerda, Marcelo Rebelo de Sousa admite que "foi uma luta", durante 2016, convencer os empresários a investir em Portugal.

"No início do meu mandato eu encontrei de facto esse preconceito. Vários investidores internacionais e alguns, não todos, não muitos, internos, sistematicamente tinham muitas dúvidas sobre o cumprimento dos compromissos europeus. Vai mesmo cumprir-se aquilo que são compromissos em relação ao equilíbrio das contas públicas? Vai mesmo haver estabilidade política?", disse o Presidente da República.

Na entrevista, Marcelo Rebelo de Sousa disse que foi "uma luta ao longo do ano de 2016 para que esses sectores aceitassem e percebessem que estava a haver um processo que não correspondia às suas expectativas, porque as expectativas eram baixas e nalguns casos negativas".

Questionado sobre se entretanto o medo dos investidores mudou, o Presidente da República avançou que a postura alterou-se, mas salientou que é "uma luta diária".

"Mudou muito apreciavelmente, mas é uma construção no dia-a-dia, O problema dos investidores é que eles têm o dinheiro. Têm a última palavra a dizer em termos de onde é que vão investir", afirmou.

A entrevista à TSF acontece no dia em que Marcelo Rebelo de Sousa promove uma conferência em Lisboa com a qual pretende colocar o investimento no topo da agenda política.

Esta conferência promovida por Marcelo Rebelo de Sousa, intitulada "Investimento em Portugal", decorrerá na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, durante todo o dia, com a participação de mais de uma dezena de oradores, entre os quais o primeiro-ministro, António Costa.



A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 15.03.2017

Os "nuncios" não agradam aos empresários. Os "nuncios", e há imensos de vários tamanhos e feitios, agradam aos capitalistas de compadrio, às associações de malfeitores e aos vendilhões de planeamento fiscal agressivo e de gazuas, pé-de-cabras e velas de dinamite para arrombar as portas que desembocam nos bem escondidos vazios legais e encontrar o caminho certo até à arcas do tesouro encerradas nos labirintos da fiscalidade portuguesa.

comentários mais recentes
Anónimo 15.03.2017

Bem...se temiam este governo espetacular... ainda bem que ja se resolveram...
A DIREITA tudo fez para prejudicar Portugal, NAO MAIS PRIVATIZAR... VAMOS ATRAIR INVESTIMENTOS! PORTUGAL TEM UM ENORME POTENCIAL E BEM MAIS QUE ESPANHA... DEVIDO AO MAR!...

FORÇA PORTUGAL!

pertinaz 15.03.2017

INVESTIMENTO DIRECTO ESTRANGEIRO VAI BASEAR-SE CADA VEZ MAIS NA MITIGAÇÃO DO RISCO

AS MULTINACIONAIS VÃO "MATAR" CADA VEZ MAIS OS QUADROS PORTUGUESES

ESPANHA ESTÁ A SECAR COMPLETAMENTE PORTUGAL...!!!

Skizy 15.03.2017

Marcelo descobriu a polvora. So lhe falta mesmo produzir auto informacao com isso.

Anónimo 15.03.2017

Os "nuncios" não agradam aos empresários. Os "nuncios", e há imensos de vários tamanhos e feitios, agradam aos capitalistas de compadrio, às associações de malfeitores e aos vendilhões de planeamento fiscal agressivo e de gazuas, pé-de-cabras e velas de dinamite para arrombar as portas que desembocam nos bem escondidos vazios legais e encontrar o caminho certo até à arcas do tesouro encerradas nos labirintos da fiscalidade portuguesa.

ver mais comentários
pub