Ambiente Góis: Fogo deve ser extinto até sábado

Góis: Fogo deve ser extinto até sábado

O incêndio que deflagrou no passado fim de semana em Góis, distrito de Coimbra, deve ser extinto até sábado, disse hoje o comandante operacional Carlos Luís Tavares.
Góis: Fogo deve ser extinto até sábado
Reuters
Lusa 23 de junho de 2017 às 12:35
Em declarações aos jornalistas no posto de comando em Góis, Carlos Luís Tavares explicou que 80% do perímetro do incêndio já está consolidado e que até ao final do dia de hoje/início de sábado todo o perímetro deve estar consolidado.

O responsável disse também que ainda há o perigo de algumas reactivações e que o dispositivo que se mantém no terreno é de 634 operacionais, 168 veículos e sete máquinas de rastos.

Carlos Luís Tavares estimou que 20.000 hectares tenham sido atingidos pelo incêndio que começou em Góis e que atingiu também os concelhos de Pampilhosa da Serra e de Arganil, e admitiu a possibilidade de ainda hoje serem dispensados alguns operacionais.

Dois grandes incêndios deflagraram no sábado na região Centro e obrigaram à mobilização de mais de dois milhares de operacionais, consumindo um total de cerca de 50 mil hectares de floresta e obrigando à evacuação de dezenas de aldeias.

O fogo que deflagrou em Escalos Fundeiros, em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, alastrou a Figueiró dos Vinhos e a Castanheira de Pera, fazendo 64 mortos e mais de 200 feridos.

As chamas chegaram ainda aos distritos de Castelo Branco, através do concelho da Sertã, e de Coimbra, pela Pampilhosa da Serra, mas o fogo foi dado como dominado na quarta-feira à tarde.

O incêndio que teve início no concelho de Góis, no distrito de Coimbra, atingiu também Arganil e Pampilhosa da Serra, sem fazer vítimas mortais. Ficou dominado na manhã de quinta-feira.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 23.06.2017

Pedrogão é também uma história de assassinos sindicais em Portugal, de uma jurisdição capturada por autênticos chulos dos direitos adquiridos onde nem a simples limpeza de áreas de segurança junto às estradas nacionais, no qual qualquer um poderia vender o teu trabalho braçal se não sobrasse orçamento para investimento em maquinaria silvícola, nem a utilização de aeronaves de combate a incêndios, se fazem.

Conselheiro de Trump 23.06.2017

Sao "CREDOS"que nao tem mais fim.Como foi possivel uma palavra em vias de extincao,segundo o d.branca e voltar a ganhar o relevo que todos nos conhecemos.Quando contra os factos nao ha argumentos,os credos sao mais que uma chovada torrencial.

Saber mais e Alertas
pub