Mundo Goldman Sachs e fundo soberano da China montam fundo comum de 5 mil milhões

Goldman Sachs e fundo soberano da China montam fundo comum de 5 mil milhões

O objectivo do veículo financeiro, constituído a meias entre o banco e a China Investment Corporation, é estimular as exportações norte-americanas para a China. "Vejam o quanto temos a ganhar quando trabalhamos em conjunto," diz o CEO do Goldman Sachs.
Goldman Sachs e fundo soberano da China montam fundo comum de 5 mil milhões
reuters, bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 09 de novembro de 2017 às 18:56
Dois dos principais agentes económicos das maiores economias do mundo vão juntar esforços na criação de um fundo para apoiar investimentos que permitam um melhor acesso das empresas norte-americanas ao mercado chinês, nomeadamente para exportações.

O fundo, com uma dotação de 5.000 milhões de dólares (4.293 milhões de euros à cotação actual) será realizado em partes iguais pelo banco Goldman Sachs e pelo fundo soberano chinês, de acordo com declarações do CEO do banco norte-americano, Lloyd Blankfein, à CNBC.

O anúncio surge na semana em que o presidente dos EUA, Donald Trump, se desloca à Ásia para uma visita de 12 dias, estando desde esta quarta-feira a ser recebido pelas autoridades chinesas. Ontem foi avançado que a China assinou acordos de negócios com empresas norte-americanas no valor total de 253,4 mil milhões de dólares (218 mil milhões de euros) no âmbito da deslocação presidencial.

"Estas são as duas maiores economias do mundo. (…) Vejam o quanto temos a ganhar quando trabalhamos em conjunto," afirmou Blankfein – que está em Pequim a acompanhar a comitiva presidencial -, numa referência à parceria firmada com a China Investment Corporation.

Blankfein acrescentou ainda, numa comparação entre as duas dimensões, que a economia chinesa acabará em breve por ultrapassar os EUA como a maior economia do mundo, em grande medida devido à taxa de crescimento e ao facto de população ser quatro vezes maior que a norte-americano. Mas deixou avisos:

"[A China] não é um país rico, ainda está em desenvolvimento. [Ser a maior economia do mundo] é um grande fardo e levanta grandes riscos para a economia chinesa, que não existem no caso dos EUA," considerou.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Miguel Cunha Há 1 semana

Sugiro a todos os pequenos acionistas dos CTT (que representam cerca de 70% da estrutura acionista) que coloquem as suas ações à venda por um valor superior a 5,60€ durante os próximos meses, impedindo assim algumas "jogadas" pouco éticas que parecem estar a acontecer.

BCP : em três dias 6% para baixo Há 1 semana




DETUSH BANK em dois dias 6% para cima E VIVAM os SHORTS DA FOSUN ( 4.71% ) eles QUEREM a TOTALIDADE do MILENIUM BCP por isso TEM de SER MANOBRADO e MANIPUILADO para a OPA não ULTRAPASSAR os 0.50 por ação é que eles não são BURROS

Saber mais e Alertas
pub