Política Governo admite 30 km/hora nas localidades e carta obrigatória para motas

Governo admite 30 km/hora nas localidades e carta obrigatória para motas

O Governo está a estudar um conjunto de alterações às regras de circulação. Velocidade mais baixa nas zonas urbanas e inspecção e carta obrigatória para motociclistas estão no pacote, adiantou o ministro da Administração Interna à Antena 1. Em cima da mesa está também a possibilidade de se exigir carta para motas, mesmo para quem já tem carta de ligeiros.
Governo admite 30 km/hora nas localidades e carta obrigatória para motas
Bruno Simão/Negócios
Negócios 12 de janeiro de 2018 às 08:47

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, vai propor uma redução da velocidade de circulação nas zonas urbanas para os 30 quilómetros por hora. Para os motociclistas, a carta deverá passar a ser obrigatória, mesmo para quem já tem carta de ligeiros, assim como uma inspecção periódica aos veículos.

 

Numa entrevista à Antena 1 que será transmitida na íntegra no próximo Sábado, Eduardo Cabrita enquadra as medidas como uma reacção aos números de atropelamentos, que considera "absolutamente inaceitável".

 

As estatísticas da sinistralidade rodoviária apontam para a existência de 500 mortos nas estradas em 2017, sendo que, entre estes, há um numero significativo de mortos por atropelamento nas zonas urbanas, especifica Eduardo Cabrita. A solução encontrada pelo governo passa por generalizar às zonas urbanas o limite de velocidade de 30 quilómetros por hora que já existe em alguns bairros e impor maior controlo aos motociclos.

Nesta frente são apontadas duas áreas de intervenção: por um lado a inspecção, por outro a formação. Segundo o ministro, os motociclos terão também de sujeitar-se a "mecanismos de inspecção", tal como acontece com os carros; e, além disso, "temos de repensar o que foi uma decisão que [na altura] suscitou as maiores dúvidas que é a dispensa de qualquer formação, para quem tendo uma carta de ligeiros e compre uma mota de 125 centímetros cúbicos".

O ministro diz que provavelmente não se justifica exigir um novo exame de código, mas recorda que "as condições de circulação num motociclo são claramente diferentes das que temos num automóvel ligeiro".




A sua opinião33
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado gatogato Há 3 dias

Se a lei for avante, qualquer carro que circule estará em excesso de velocidade. Nem serão precisos radares dentro da cidade, basta um polícia ver um carro a andar já sabe que lhe pode aplicar multa por excesso de velocidade. E as bicicletas também. E os joggers também deverão ter cuidado com as suas corridas...

comentários mais recentes
Maria Há 2 dias

Conversa da Treta! Não se vê em Lisboa polícia, para fazer cumprir a lei, até pode ser 0 Km hora !

Anónimo Há 2 dias

Todos dias assaltos, mortes, fugas, roubos, muita insegurança e este ministro vem falar de limitações de velocidade? Só se for para não poder-mos fugir aos ladrões. Vai tb para o mar.

Anónimo Há 3 dias

Este senhor ministro, entre muitos\as outros/as, como por exemplo o da S.Social e Descanso, olhando-se e ouvindo-se dá para entender que é de excelsa inteligência.

Anónimo Há 3 dias

Agora a 30 h nem uma bicicleta consigo ultrapassar este ministro devia estar com insónias e levantou-se e disse vamos acabar com isto vamos acabar com esta malandragem que anda a 50 h.

ver mais comentários
pub