Economia Governo admite agravamento da seca nos próximos três meses

Governo admite agravamento da seca nos próximos três meses

O secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins, admitiu hoje um agravamento da situação de seca em Portugal Continental, durante o próximo trimestre, por estar prevista pouca precipitação até ao fim do mês de Outubro.
Governo admite agravamento da seca nos próximos três meses
Correio da Manhã
Lusa 26 de julho de 2017 às 18:55
"Não temos nenhuma dúvida que a tendência é de agravamento", afirmou o governante, em declarações à agência Lusa, em Évora, no final de uma reunião com autarcas e técnicos de vários municípios do Alentejo afectados pela falta de água.

Citando uma informação do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), o secretário de Estado disse que, no próximo trimestre, haverá "seguramente pouca precipitação, pelo menos, do ponto de vista previsional", o que "coloca algum risco".

"Por isso, estamos a tentar fazer intervenções, com tempo, de uma forma conjugada e bastante planeada e com soluções que sejam consensuais em torno das utilizações da água", realçou o responsável.

Carlos Martins referiu que, no Alentejo, "há uma tradicional cultura de lidar com a escassez de água", observando que a maioria das autarquias já tem tomado medidas nos usos municipais, como em piscinas e na rega de espaços verdes.

O governante salientou que as albufeiras do Monte da Rocha, no concelho de Ourique (Beja), e da Vigia, no concelho de Redondo (Évora), as que representam maior preocupação, estão a ser monitorizadas diariamente.

"Admitimos que, sobretudo, no caso da Vigia, possam haver, a curto prazo, algumas restrições de uso de água para fins agrícolas, porque é o que os dados da monitorização vêm evidenciando", adiantou.

O secretário de Estado manifestou também a abertura do Governo para "estudar formas de apoiar" investimentos que alguns municípios do Alentejo vão fazer para instalar reservatórios em pequenas localidades para o armazenamento de água para abastecimento.

"O grupo de trabalho que apoia a comissão da seca vai passar a emitir relatórios quinzenais", assinalou, indicando que, à medidas que surjam situações críticas, haverá "monitorização legal muito mais apertada das autoridades".

No final da reunião, o presidente da Câmara de Ourique, Marcelo Guerreiro, disse à Lusa ter sensibilizado o secretário de Estado para a necessidade de se avançar com a ligação do Alqueva à albufeira do Monte da Rocha.

"Foram encontradas medidas, envolvendo todos os agentes e de compromisso, para conseguirmos ultrapassar esta situação de seca no Alentejo", considerou à Lusa o presidente da Câmara de Redondo, António Recto.

A próxima reunião entre as câmaras municipais do Alentejo e o Governo sobre a seca ficou marcada para o dia 15 de agosto, estando prevista a participação das comunidades intermunicipais (CIM) da região.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar