Lei Laboral Governo admite eliminar atestados nas baixas de curta duração

Governo admite eliminar atestados nas baixas de curta duração

No Ministério da Saúde, a proposta é considerada "construtiva". O ministro do Trabalho, Vieira da Silva vai convidar o bastonário da Ordem dos Médicos, que lançou a ideia, a apresentar a proposta.
Governo admite eliminar atestados nas baixas de curta duração
Sara Matos
Catarina Almeida Pereira 18 de janeiro de 2018 às 20:15

O Governo revela abertura para estudar a proposta do bastonário da Ordem dos Médicos, que defendeu a eliminação dos atestados de curta duração, de até três dias, sugerindo que o Código do Trabalho estabeleça limites.

Depois de o secretário de Estado Adjunto e da Saúde ter considerado a proposta "construtiva" fonte oficial do Ministério do Trabalho respondeu ao Negócios que Vieira da Silva vai convidar o bastonário a apresentar a sua proposta.

A ideia foi lançada em entrevista à agência Lusa pelo o bastonário da Ordem dos Médicos. Miguel Guimarães defendeu que os atestados médicos de curta duração "não deveriam ser necessários", defendendo que a sua eliminação pode descongestionar urgências e centros de saúde, sobretudo à segunda-feira. O responsável propôs que os trabalhadores se responsabilizem e sugeriu que a lei laboral estabeleça limites.

A proposta foi considerada construtiva pelo secretário de Estado Adjunto e da Saúde, que numa outra entrevista à agência Lusa considerou a proposta construtiva, desde que seja acompanhada de medidas que evitem abusos.

"Esta proposta está a ser estudada pelo Ministério da Saúde em articulação com o Ministério da Segurança Social. Do ponto de vista conceptual não temos oposição à medida. Há países onde já acontece", disse Fernando Araújo, em declarações à agência de notícias.

"Em Portugal temos um problema, que é o número de dias excessivo de baixa com incapacidade temporária, que é elevado na área pública", acrescentou. "Vale a pena avaliar e discutir, há espaço para debate. Desde que se encontre resposta para evitar uso excessivo e abusivo".

 

Questionada pelo Negócios, fonte oficial do ministério do Trabalho respondeu que o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, "vai convidar o Senhor Bastonário da Ordem dos Médicos a vir apresentar a sua proposta".

Na Segurança Social, o subsídio por doença só é pago a partir do 4º dia. Na Função Pública foi aprovada uma regra semelhante, mas o pagamento cabe aos serviços. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Alentejano 20.01.2018

a solução para tratar dos abusos é simples permitir o despedimento por abuso de confiança / fraude fiscal / quebra do código deontológico ! quem faz estas coisas no publico se for burro o suficiente para ser caçado no Facebook a beber cervejas no Algarve quando deveria estar a trabalhar ...

Mr.Tuga 19.01.2018

Excelente medida para desburocratizar e simplificar a vida dos "doentes".

Até porque, não sendo paga a baixa (até 3 dias) ninguém sai financeiramente prejudicado, excepto o próprio ....

Neves 18.01.2018

Então mas não íamos ter todos médicos de família nos centros de saúde? Farto de politicos

pub