Segurança Social Governo admite intervir caso Raríssimas não resolva crise

Governo admite intervir caso Raríssimas não resolva crise

O ministro Vieira da Silva está no Parlamento a dar explicações sobre a polémica que envolve a Raríssimas. O governante admite que venha a existir contra-ordenação para as IPSS que não publiquem contas.
Governo admite intervir caso Raríssimas não resolva crise
Marta Moitinho Oliveira 18 de dezembro de 2017 às 17:41

O Governo admite vir a intervir na Raríssimas caso a instituição não consiga resolver a crise em que se encontra. A garantia foi deixada pelo ministro da Segurança Social, que está no Parlamento a dar explicações sobre a polémica em torno de eventual gestão da danosa na instituição.

"Admitimos recorrer aos mecanismos que a lei prevê para que, se necessário, o Estado tenha uma intervenção correctiva, caso a instituição não consiga resolver aquela crise", disse Vieira da Silva, lembrando que neste momento a instituição "já convocou uma Assembleia-Geral eleitoral".

Vieira da Silva respondia a José Soeiro, deputado do Bloco de Esquerda, que queria saber da disponibilidade do Governo em assegurar a resposta da Raríssimas aos utentes na sequência desta polémica. "O Estado não pode, só por que quer, substituir a direcção de uma instituição que se rege por princípios próprio".

O ministro mostrou, porém, disponibilidade para rever algumas das regras que se aplicam a estas instituições. Quanto à ausência de publicação de contas por parte das Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS), Vieira da Silva afirmou que "a legislação não há de facto uma contra-ordenação e deverá passar a existir". Quanto ao Fundo de Reestruturação do Sector Solidário, o ministro garantiu ao deputado bloquista que o Estado já tem uma presença mais paritária na instituição e o Fundo – tendo dinheiro público – já foi integrado no perímetro do défice. 




A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Os Afetos podem ser um Perigo Há 4 semanas

A TVI voltou ao tempo Moura Guedes,e a Comunicação Social a fazer Política dá Mau Resultado, é Triste ver investigadora da TVI Revoltada com o BE e o PCP por não dificultar o Governo, ouvidos os Argumentos dela,do PSD e CDS impedi que a TVI volte a m casa p Respeito a mim Próprio q n gosto ser Engan

Pontodevista... Há 4 semanas

Só me apraz repetir o que foi dito pelo camarada Jerónimo de Sousa:
"PS, PSD, CDS são tudo farinha do mesmo saco"
Depois do que vi hoje, na audição ao Ministro Vieira da Silva, vou acrescentar que BE e PCP também são farinha do mesmo saco.
Assim não se consegue acreditar em nenhum destes políticos de carreira, quando é preciso fazer algo não fazem. Tudo farinha do mesmo saco, de uma ponta á outra.
É isto a democracia?
A verdade, qual é?
E a justiça onde está?
A moral quem a tem?
Somos todos gozados pela classe politica e andam alguns a defender este ou aquele partido. Dou por mim a perguntar em quem acreditar, em quem confiar...

Anónimo Há 4 semanas

O assunto cheira mal, o ministro sabia e como era amigo empurrou com a barriga, não estou surpreendido, é o normal nestes nossos políticos (do chamado arco governativo) o olhar para o lado e fingir que nada se passa e que está tudo bem. Agora fiquei de boca aberta com a doçura do BE e PCP nas interpelações ao Sr. Ministro. Estes dois partidos que são sempre tão críticos e agressivos quando a coisa cheira mal, estavam agora tão subservientes ao seu ministro da geringonça. Só faltou terem feito um pedido de desculpas por terem de o questionar, se é que aquilo eram questões, pareceu-me mais um desviar das atenções ao que era realmente importante. O que era importante era saber, apertando e confrontando o ministro, se ele sabia da trafulhice, desde quando sabia, porque nada fez, se tirou benefícios, etc. Agora saber se a lei xpto tinha uma virgula a mais ou a menos ou querer saber a opinião do ministro em relação á lei, bem, não há dúvida que o poder tolda as mentes, até do PCP e BE...

Os Afetos podem ser um Perigo Há 4 semanas

Os caluniadores irão continuar com as Calúnias, a falta de categoria leva-os a esta Imoralidade, GRAVE, mexe com indefesos que não precisavam Nada desta Prenda de Natal, a TVI prestou-se a este Serviço Vergonhoso,por mim Prometo não mais Assistir a programação da TVI, Mal vi as intervenções da Oposi

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub