Zona Euro Governo ainda está a ponderar candidatura de Centeno à presidência do Eurogrupo

Governo ainda está a ponderar candidatura de Centeno à presidência do Eurogrupo

O Governo ainda não decidiu se avança com a candidatura do ministro das Finanças à presidência do Eurogrupo, estando a ponderar os apoios europeus e o impacto que a decisão terá na condução da política de Centeno em Portugal.
Governo ainda está a ponderar candidatura de Centeno à presidência do Eurogrupo
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 29 de novembro de 2017 às 15:23
"Ainda não está decidido", respondeu o secretário de Estado Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, quando questionado pelos jornalistas pelo processo de candidatura do ministro Mário Centeno à presidência do Eurogrupo (grupo europeu que junta os ministros das Finanças da Zona Euro), que termina na quinta-feira.

À margem do Fórum Banca, que decorreu esta manhã em Lisboa, Mourinho Félix disse aos jornalistas que a candidatura avança "se estiverem reunidos dois pressupostos: um apoio abrangente, que não quer dizer a certeza que se ganha, e uma ponderação das implicações que isso tem na condução da política económica".

Neste último ponto, o secretário de Estado disse que é importante ponderar uma "divisão entre Bruxelas e Portugal, de forma que se consiga prosseguir o que tem sido feito e que não se perca o foco essencial deste processo de consolidação, da recuperação da economia portuguesa e da estabilização do sistema financeiro".

Questionado sobre se é provável a concretização desses dois pressupostos, Mourinho Félix respondeu: "Existe uma probabilidade de concretização, mas não é uma probabilidade que se possa quantificar de uma forma rigorosa".

Mourinho Félix acrescentou que o Governo está envolvido num conjunto de contactos a nível europeu, recordando que a eleição para a presidência do Eurogrupo envolve 19 votos (dos representantes dos 19 países da Zona Euro).

"O ministro das Finanças português mostrou disponibilidade para ser candidato caso seja um factor de união e de promoção de aprofundamento da União Económica e Monetária, que será uma parte essencial do mandato do próximo presidente do Eurogrupo. Se houver esse entendimento da parte de um conjunto abrangente de países então há uma ponderação obviamente a fazer", disse.



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Pertinaz, mesquinhice e invejosice .... COITADO

Anónimo Há 2 semanas

Este PERTINAZ é mesmo estúpido. Também se riu que nem uma besta quando Guterres se candidatou a secretário geral da ONU porque pensava, como toda a tralha da direita, que não seria eleito. Não foi?

pertinaz Há 2 semanas

AH AH AH

JÁ ME DÓI A BARRIGA DE TANTO RIR...!!!

pub