África Governo angolano espera que Brasil retome linha de crédito

Governo angolano espera que Brasil retome linha de crédito

O ministro das Relações Exteriores de Angola, Georges Chikoti, referiu que durante a cimeira da CPLP abordou o assunto com o seu homólogo brasileiro, além da delegação angolana ter sido recebida pelo Presidente do Brasil.
Governo angolano espera que Brasil retome linha de crédito
Reuters
Lusa 27 de dezembro de 2016 às 15:08
O governo angolano espera que o Brasil retome, como nos anos anteriores, a linha de crédito para Angola, afirmou hoje o ministro das Relações Exteriores de Angola.

"Nós queremos esperar que o Brasil consiga honrar os seus engajamentos que permitiram durante os anos anteriores criarmos uma linha de crédito que era financiada por Angola", disse Georges Chikoti, em declarações à rádio pública, quando procedia ao balanço do ano.

O governante angolano referiu que durante a cimeira da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), abordou o assunto com o seu homólogo brasileiro, além da delegação angolana ter sido recebida pelo Presidente do Brasil, Michel Temer.

Segundo o chefe da diplomacia angolana, Angola exprimiu as suas preocupações no encontro.

"Relativamente à nossa preocupação, claro que há algum atraso que o Brasil tem relativamente aos nossos projectos de cooperação", indicou o governante angolano.

Georges Chikoti realçou que o Brasil "vai fazer o melhor para que possa corresponder à altura" das relações entre os dois países.

"Mas Angola, do seu lado, tem estado a honrar aquilo que são as relações com o Brasil", disse.

Acrescentou que com os atrasos da parte brasileira, várias empresas daquele país também sofreram com a situação.

"Mas temos a esperança que os próximos encontros dos técnicos angolanos dos Ministérios das Relações Exteriores e das Finanças, que vão estar a olhar para estas questões, poderá permitir um encontro eventualmente a um nível mais alto, ministerial ou presidencial para podermos efetivamente relançar aquilo que é a nossa relação bilateral com o Brasil", apontou.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
A sério? 04.01.2017

Uma vida a gamar

Anónimo 27.12.2016

O dinheiro fácil acabou aqui no brasil... a administracao do PT, mandava 100 milhões, voltava 50 milhões, o governo de angola desviava 40 e faziam a obra com 10 milhões.

Governo? LOLOLOLOL 27.12.2016

Aquilo é uma ditadura

Anónimo 27.12.2016

Este quer pregar o calote a mais países, ainda não está satisfeito! A ganância não tem limites!

pub