Economia Governo aprova prestação de 264 euros para pessoas com deficiência igual ou superior a 80%

Governo aprova prestação de 264 euros para pessoas com deficiência igual ou superior a 80%

O Governo aprovou esta quinta-feira a criação da Prestação Social para a Inclusão (PSI), cuja componente base de 264 euros será atribuída a todas as pessoas com deficiência ou incapacidade igual ou superior a 80%.
Governo aprova prestação de 264 euros para pessoas com deficiência igual ou superior a 80%
Bruno Simão/Negócios
Lusa 10 de agosto de 2017 às 19:47

"A componente base entrará em vigor já em 2017, é uma componente que tem uma dimensão de cidadania, é atribuída incondicionalmente, sem qualquer espécie de avaliação de outras condições, a quem tenha 80% ou mais de incapacidade comprovada e certificada", explicou o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva, na conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, em Lisboa.

 

Esta componente base entrará já em vigor e poderá ser requerida a partir de 1 de Outubro.

 

Além da criação da PSI, o Conselho de Ministros aprovou hoje outros diplomas que visam "a valorização e a maior integração das pessoas com deficiência", nomeadamente o decreto-lei que cria o Modelo de Apoio à Vida Independente e o decreto-lei das Acessibilidades.

 

Foram igualmente aprovados um diploma sobre o Sistema Braille vigente em Portugal e um decreto-lei que alarga as situações de atribuição do cartão de estacionamento a pessoas com deficiência ou incapacidade.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 11.08.2017

Não percebo a política estúpida destes Xuxas. Isto está tudo a saque, salve-se quem puder. Eu vou já avisar os amigos e até inimigos que se reformaram por invalidez, não por acaso- falsa invalidez, para explorarem mais esta hipótese de chulice do contribuinte. Por acaso, ou não, nenhuma dessas pessoas chega a gastar metade da reforma que tem. E eu que sou um bruto honesto por maldade da natureza e que tinha motivos reais e legais para me reformar por invalidez acabei por me reformar antecipadamente com uma penalização de 13,5% apesar de mais de 40 anos de contribuições. E, na altura, conhecia o director do Serviço de Verificação de Incapacidades do ISS, e que por acaso era o médico de família dos meus pais. Enfim, a vida não custa, o que custa é saber viver!

Numantino 10.08.2017

amigo anonimo eu tenho 85% de incapacidade e felizmente não estou morto
venha e este complemento.

Anónimo 10.08.2017

80% de incapacidade só se estiver morto.
Eles nem aos doentes terminais com cancro dispensam do trabalho.

pub
pub
pub
pub