Saúde Governo aprova reposição de horas extra para todos os profissionais de saúde

Governo aprova reposição de horas extra para todos os profissionais de saúde

O Executivo aprovou em Conselho de Ministros uma alteração ao decreto de execução orçamental em que garante que a reposição do pagamento de horas extraordinárias será estendida a todos os profissionais de saúde.
Governo aprova reposição de horas extra para todos os profissionais de saúde
Bruno Simões Lusa 13 de abril de 2017 às 18:37
O Governo decidiu alterar, na reunião desta quinta-feira do Conselho de Ministros, o decreto-lei de execução orçamental, para clarificar que a reposição do pagamento de horas extraordinárias não vai abranger apenas os médicos mas todos os profissionais de saúde. No comunicado enviado à imprensa não há indicações sobre qual o faseamento dessa reposição, mas o ministro da Saúde, Adalberto Marques Fernandes, já havia dito que metade do corte será reposto este mês (com retroactivos a dia 1), e o remanescente a 1 de Dezembro.

A reposição integral do pagamento de horas extraordinárias aos médicos é um dos motivos que levou os sindicatos destes clínicos a convocar uma greve para os dias 10 e 11 de Maio. Actualmente, os médicos recebem as horas extraordinárias com um corte de 50%. E os sindicatos alegam que os funcionários dos hospitais EPE já estão a receber essas verbas sem cortes desde o início do ano.

No decreto de execução orçamental, o Governo definiu que a devolução dos cortes começaria a ser feita a 1 de Abril, mas apenas para os clínicos nos serviços de urgência e cuidados intensivos. Estes profissionais passariam a receber 75% pelas horas extra. A totalidade desta retribuição seria reposta "no segundo semestre", sem concretizar uma data.

No comunicado do Conselho de Ministros lê-se que o Executivo aprovou alterar o "valor dos suplementos devidos pelo trabalho extraordinário dos profissionais de saúde, através de um aumento faseado ao longo do corrente ano das percentagens de acréscimo previstas na legislação em vigor".

A alteração também vai "alargar a remuneração do trabalho extraordinário ao mesmo tipo de trabalho dos profissionais de saúde prestado noutras actividades dos estabelecimentos e serviços do Serviço Nacional de Saúde, para além dos serviços de urgência externa e das unidades de cuidados intensivos, desde que essenciais para a adequada prestação de cuidados de saúde aos utentes e com o mesmo acréscimo de penosidade que constitui o fundamento para a atribuição dos referidos acréscimos remuneratórios".

Esta quarta-feira, o secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos (SIM) disse que o anúncio do ministro da Saúde a garantir o pagamento das horas extraordinárias a 75% aos médicos com retraoctivos a 1 de Abril, é "positivo mas não o suficiente" para desconvocar a greve agendada para Maio.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Pois... 13.04.2017

Este tema das horas extraordinárias da função pública traz-me sempre à memória o tema da produtividade, o qual, curiosamente não se vê ser discutido...se a produtividade fosse superior, as horas extraordinárias necessárias seriam menos, e o custo para os contribuintes também...

Conselheiro de Trump 13.04.2017

Como eu ja vi o cu ao aritmetico mimico,vao ser os hospitais a pagar as horas extraordinarias aos seus trabalhadores e com o risco de ainda pagarem uma multa ao estado,e que o proximo ano o pib nao pode ultrapassar os 1%.Dizia d.branca:Jeroen esta de passagem,e eu digo-lhe ha 1 coisa q nao:a divida.

pub
pub
pub
pub