Impostos Governo atribui subida nas prescrições de impostos a insolvências de empresas com a crise

Governo atribui subida nas prescrições de impostos a insolvências de empresas com a crise

Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais desvaloriza subida das dívidas fiscais que o Estado deixou por cobrar no ano passado.
Governo atribui subida nas prescrições de impostos a insolvências de empresas com a crise
Miguel Baltazar
Marta Moitinho Oliveira 05 de julho de 2017 às 14:21

O Executivo desvalorizou esta quarta-feira, 5 de Julho, a subida no valor dos impostos em dívida que prescreveram no ano passado, considerando que o montante é "normal" relativamente ao total de impostos em dívida e antecipando que esta tendência se mantenha nos próximos anos.

"As dívidas que prescreveram são todas anteriores a 2008", disse o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, no Parlamento, acrescentando que ainda na semana passada prescreveu uma dívida dos anos 60 do século passado.

O governante respondia a uma questão colocada pelo CDS na sequência da notícia avançada pelo Negócios que dá conta que o Fisco deixou de cobrar 306 milhões de euros em impostos no ano passado, o dobro do que ocorreu em 2015.

Rocha Andrade explicou que considera "normal" o valor de dívidas fiscais que prescreveu tendo em conta a carteira de dívidas, que ronda os 4.000 milhões de euros.

O secretário de Estado sinalizou ainda que esta tendência deverá manter-se nos próximos anos, já que "se olharmos para o número de insolvências de empresas depois da crise [que diminuem a capacidade de fazer face a compromissos] acho normal que em 2016 e nos próximos anos haja prescrições". 



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Não sei porquê mas este secretário faz-me lembrar o Vasco Santana.
"As dívidas que prescreveram são todas anteriores a 2008" claro, se prescrevem ao fim de oito anos só podia né. É preciso cá uma inteligência.

A pergunta pertinente que se impõe. Há 1 semana

Sr. secretário da Galp...
Quem são os contribuintes que a AT deixa prescrever dívidas?
É que a mim, pequeno contribuinte, se não pagar a AT "arranca-me" a pele.

pub