Defesa Governo autoriza a compra de cinco helicópteros para a Força Aérea

Governo autoriza a compra de cinco helicópteros para a Força Aérea

Os novos helicópteros substituirão os Alouette III, que estão ao serviço da nação há mais de 50 anos. Este reforço tecnológico na Força Aérea acontecerá entre 2018 e 2020, não podendo exceder os 20,5 milhões de euros.
Governo autoriza a compra de cinco helicópteros para a Força Aérea
Negócios 16 de março de 2017 às 16:11
O Ministro da Defesa Nacional, José Alberto Azeredo Lopes, autorizou a aquisição de cinco helicópteros ligeiros monomotor, os quais substituirão os seis Alouette III (na foto), que, segundo afirmado em comunicado, representavam um atraso tecnológico para a Força Aérea, estando ao serviço de Portugal há mais de 50 anos.

Os seis Alouette III serão vendidos, segundo o comunicado enviado às redacções. 
 
Este investimento na modernização e capacitação da Força Aérea, inscrito na Lei de Programação Militar, acontecerá entre 2018 e 2020, não podendo exceder os 20,5 milhões de euros.

José Alberto Azeredo Lopes autorizou a aquisição de cinco helicópteros (permitindo, no máximo, a compra de sete), incluindo treino, sobresselentes e material de apoio, "para garantir a continuidade das missões efectuadas pelos helicópteros" Alouette III, "como instrução de pilotagem de helicópteros, busca e salvamento e evacuação sanitária militar". Estes helicópteros apoiam ainda missões de interesse público, como é o caso do combate a incêndios.

Segundo a mesma fonte, "a súbita escassez de componentes no mercado, associada à inexistência de uma entidade reparadora de motores, assim como de centros autorizados para efectuar grandes inspecções destas aeronaves inviabilizam a sua operação para lá de 2018", o que leva a esta mais recente aquisição. 



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 16.03.2017

Ainda se os helicópteros, ou os seus motores e instrumentos de voo, fossem desenvolvidos ou fabricados em Portugal... Mas isso nunca será possível sem primeiro flexibilizarem o mercado laboral e dinamizarem o mercado de capitais. A economia portuguesa vive atolada num miserável não mercado. A verdade é essa.

comentários mais recentes
beachboy 16.03.2017

...lol...
...por favor não danifiquem agora os ditos Alouette III...
...devem valer uma fortuna como antiguidades!...

Anónimo 16.03.2017

Lá vai ser o Paulo Portas acusado pela compra dos helicópteros. ..será que não temos tecnologia para fabricar este tipo de helicóptero? mais valia fabricar carro de bois com uma metralhadora em cima...assim mostrávamos ao mundo o avançado que somos tecnologicamente.

Anónimo 16.03.2017

Ainda se os helicópteros, ou os seus motores e instrumentos de voo, fossem desenvolvidos ou fabricados em Portugal... Mas isso nunca será possível sem primeiro flexibilizarem o mercado laboral e dinamizarem o mercado de capitais. A economia portuguesa vive atolada num miserável não mercado. A verdade é essa.

Anónimo 16.03.2017

isto e o louça no banco de portugal é que vao levar o pais para a frente LOL.

pub