Defesa Governo autoriza aquisição de 5 helicópteros por 20 milhões

Governo autoriza aquisição de 5 helicópteros por 20 milhões

A operação, que deverá custar 20 milhões de euros, tem como objectivo a substituição da frota de Alouette III, que opera há mais de 50 anos.
Governo autoriza aquisição de 5 helicópteros por 20 milhões
Negócios 21 de abril de 2017 às 10:29

O Governo publicou em Diário da República um despacho a autorizar gastos de 20 milhões de euros com cinco helicópteros que irão substituir a frota de Alouette III da Força Aérea nacional.


O diploma explica que "considerando o crescente obsoletismo tecnológico do helicóptero Alouette III (ALI II), decorrente da súbita escassez de componentes no mercado, associada à inexistência de uma entidade reparadora de motores, bem como, de centros autorizados para efectuar grandes inspecções da célula das aeronaves" e tendo em conta a necessidade deste aparelhos foi dada luz verde à compra de novos aparelhos.


Assim, o despacho autoriza "a despesa tendo em vista a aquisição de cinco helicópteros ligeiros monomotor (com a opção de até mais dois), incluindo treino, sobresselentes e material de apoio até ao montante máximo" de 20,5 milhões de euros "a financiar através das verbas inscritas na Lei de Programação Militar".


Os encargos serão divididos por três anos, sendo que 2018 o máximo aplicável é de 10 milhões de euros, em 2019 de sete milhões de euros e em 2020 de 3,5 milhões de euros. Os valores indicados para 2018, incluem a verba de 1,4 milhões de euros referentes ao ano de 2016, em processo de transição de saldos, a verba de 2017 no montante de 3,5 milhões de euros a transitar oportunamente para a mesma capacidade, projecto e subprojecto, e a dotação de 2018 no montante de cinco milhões de euros", adiantou o mesmo documento.

O documento autoriza ainda a venda dos helicópteros ALIII "mediante inclusão no procedimento de aquisição (...) da opção de retoma das referidas aeronaves."




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 21.04.2017

São estes que vão dar cabo do puto norte-coreano mal educado que anda a brincar aos soldados.
A miséria é tanta que o cachopo nem tem um barbeiro de jeito que lhe rape a m rda que ele tem na cabeça.
O Trampa até já lhe prometeu um barbeiro para limpar aquela porra que ele tem na cabeça.

Anónimo 21.04.2017

Isto é muito simples compram mas ajudam nos incêndios e pronto. Agora comprar coisas caras para andar a brincar aos soldados é q não. Já o disse várias vezes equipamento com cujo uso não seja estritamente militar é bemvindo. E já agora produziam internamente não? Pq andar a dar milhões lá para fora?

Anónimo 21.04.2017

Venha mais "investimento"! Não é o que os neoliberais da Bloomberg ainda hoje de manhã sugeriam para o nosso País??
Nota: Claro que também dá-lhes "jeito" porque representa exportações para esses países produtores de material militar.
O povo pagará ao longo dos próximos 15 anos.

Conselheiro de Trump 21.04.2017

E assim se desenvolve a economia lusa.Dizia o canhoto ha ja uns bons tempos(sao noticia que entram e ficam)"portugal faz tanta obra meganomala",mas nem os simples pregos la gastos sao produto nacional.Ficou gravado na nuca.

ver mais comentários
pub