Economia Governo avança com novo mecanismo de alerta precoce para empresas
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Governo avança com novo mecanismo de alerta precoce para empresas

Medida faz parte do Capitalizar e vai agora começar a ser posta em prática. Administradores e demais responsáveis serão avisados pelo Fisco de que as respectivas empresas podem estar em risco e informação vai ser gerida pelo IAPMEI.
Governo avança com novo mecanismo de alerta precoce para empresas
Bruno Simão
Filomena Lança 16 de maio de 2018 às 23:26

Os titulares dos órgãos de administração das empresas não financeiras que tenham sede em Portugal vão passar a receber informação sobre a saúde financeira das respectivas sociedades. A

)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo Há 4 dias

Empresas vão avançar com novo mecanismo de alerta precoce para Governos.
Medida faz parte do Avisar e vai agora começar a ser posta em prática. Ministros e demais responsáveis serão avisados pelas Empresas de que os respectivos Tachos podem estar em risco e informação vai ser gerida pelo IAPMGM - Instituto de Apoio aos Pequenos Médios e Grandes Ministros.

comentários mais recentes
Anónimo Há 4 dias

Já se sabia que, para o fisco, os membros dos órgãos de gestão das empresas são sempre uns facínoras cujo principal objectivo de vida é roubar.
Temos agora uma novidade, que é o fisco (e o estado) entenderem que também são incompetentes e que não sabem avaliar a situação das empresas!

Anónimo Há 4 dias

O que é facto, é que entre 2005 e 2015 o fisco do Reino Unido reduziu o número de colaboradores em 40% para dar lugar a muito económica e eficiente automação. E é por estas e por outras como estas, que Portugal não tem organização que seja nem um quarto daquilo que uma Rolls-Royce ou uma GlaxoSmithKline é no mundo. "10 years shedding two-fifths of its workforce" (2015) https://www.ft.com/content/1f40926a-1fe3-11e5-ab0f-6bb9974f25d0 "Capgemini is enabling the UK tax authority to improve efficiency with Robotic Process Automation." (2017) https://www.capgemini.com/gb-en/resources/hmrc-advisers-use-robots-to-reduce-call-times-by-up-to-40/

Anónimo Há 4 dias

Quo vadis Portugal? Em 2015, o fisco da Austrália (a Agência Tributária australiana) cortou 4400 postos de trabalho em 19 meses. "Australian Taxation Office axes 4400 jobs in 19 months" http://www.canberratimes.com.au/national/public-service/australian-taxation-office-axes-4400-jobs-in-19-months-20150409-1mhhgq.html

Anónimo Há 4 dias

O fisco da Nova Zelândia reduziu em um terço o número de colaboradores de modo a poder modernizar-se convenientemente. "News broke last year that Inland Revenue was to cut its workforce of 5647 staff to only 3700 people by 2021- almost a third of its workforce" https://www.nzherald.co.nz/wanganui-chronicle/opinion/news/article.cfm?c_id=1503423&objectid=12031470

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub