Finanças Públicas Governo: "Avanços reconhecidos" por Bruxelas resultam de "estratégia de equilíbrio"

Governo: "Avanços reconhecidos" por Bruxelas resultam de "estratégia de equilíbrio"

Na reacção ao relatório da Comissão sobre a sexta missão pós-programa, Mário Centeno destaca a aproximação das previsões de Bruxelas para o défice em relação às defendidas por Portugal e a revisão em alta do crescimento da economia. Mas corrigiu entretanto a leitura.
Governo: "Avanços reconhecidos" por Bruxelas resultam de "estratégia de equilíbrio"
Miguel Baltazar/Negócios
Paulo Zacarias Gomes 06 de outubro de 2017 às 15:19
O Ministério das Finanças sublinhou que as previsões de Bruxelas para a evolução da economia e do défice estão a encaminhar-se para valores próximos das do Executivo e que os "avanços reconhecidos" pelo executivo comunitário resultam da "estratégia de equilíbrio" seguida por Portugal. 

"Os avanços reconhecidos pela Comissão decorrem da estratégia de equilíbrio seguida pelo Governo, desde o início da legislatura, que alia o rigor na gestão das contas públicas com a recuperação da economia," escreveu o ministério liderado por Mário Centeno em comunicado enviado às redacções, depois de a Comissão Europeia ter dado a conhecer o relatório da sexta missão da avaliação pós-programa de estabilidade e crescimento a que o país foi submetido durante a época da troika.

Um comunicado que - contudo - seria mais tarde, já que na sua primeira versão o documento referia que a Comissão tinha revisto "em baixa a sua projeção para o défice de 2017", o que não aconteceu de facto neste relatório. A versão seguinte do comunicado acrescentava que essa revisão tinha acontecido em relação ao "relatório da 5ª Missão do PPS, publicado em Março de 2017." Entretanto houve previsões da Primavera da Comissão e - aí sim - foram melhoradas as perspectivas.

Ainda assim, o gabinete de Centeno dá ainda conta de uma "aproximação" dos números comunitários em relação às projecções do Governo, destacando que Bruxelas reviu "em baixa a sua projecção para o défice de 2017", tal como "aconteceu em 2016". 

"Tanto para 2017 como para 2018, riscos positivos para a previsão da Comissão poderão implicar uma melhoria contínua das previsões macroeconómica, afectando positivamente o défice nominal mas não o estrutural," salienta o relatório de Bruxelas, que na Primavera via o défice a ficar em 1,8% este ano enquanto o Governo prevê 1,5%.

A nova versão do comunicado do ministério suprimiu também referência ao facto de, no relatório, o crescimento económico recente superar "as actuais projecções da Comissão." Bruxelas repete sim no documento a subida do produto de 2,8% este ano que já constava das previsões da Primavera. Mas deixa uma visão positiva para futuro:

"De uma forma geral, os desenvolvimentos económicos recentes apontam para dinâmicas de crescimento mais favoráveis, comparadas com as previsões de Primavera da Comissão," lê-se no relatório de Bruxelas.

Além das notas positivas que o Governo diz terem sido dadas à evolução do emprego e do desemprego, as Finanças apontam ainda nota favorável do executivo comunitario ao trabalho feito na estabilização da banca, "sector descurado durante o Programa de Ajustamento".

O Executivo termina afirmando que a estratégia de contenção do défice e de crescimento económico "é possível também devido à actuação decisiva na resposta aos constrangimentos estruturais do país (...) [com o objectivo de] gerar um crescimento sustentável e inclusivo."

(Notícia actualizada às 17:13 depois de correcção ao comunicado do Ministério das Finanças)



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Era de esperar o PCP e o BE nas Greves Há 1 semana

Com os resultados Autárquicas,era sabido, o PCP e o BE iam deitar Mãos as poderosas Armas Politicas, e mandatários Sindicais, tal como o PSD ha muito vem fazendo com Enfermeiros, como o Povo vai reagir nas próximas Eleições face as greves previstas ? Castigar os Responsáveis das Greves com + ou - %?

General Ciresp Há 2 semanas

Sera q Brussel da outros decumentos a gerigonca em especial ao cativeiro mimico aritmetico diferentes dos nossos.Eu vejo so avisos atraz de avisos,o minhoca do buraco mimico aritmetico diz o contrario,afinal em kem vou acreditar.Ser realista e dizer q o pais esta na corda bamba,ja nem e corda e linh

pub
pub
pub
pub