União Europeia Governo britânico deve esclarecer se quer que o país tenha acesso ao mercado único antes de iniciar o "brexit"

Governo britânico deve esclarecer se quer que o país tenha acesso ao mercado único antes de iniciar o "brexit"

A primeira-ministra britânica, Theresa May, deverá esclarecer se quer que o Reino Unido continue a ter acesso ao mercado único e à união aduaneira antes de iniciar as negociações sobre o “brexit”, revela um relatório divulgado este sábado.
Governo britânico deve esclarecer se quer que o país tenha acesso ao mercado único antes de iniciar o "brexit"
Neil Hall/Reuters
Lusa 14 de janeiro de 2017 às 14:56

O documento do comité parlamentar que estuda a saída do Reino Unido da União Europeia (UE), esclarece que Theresa May teria de "declarar a sua posição", o mais tardar, em meados de Fevereiro para dar tempo suficiente ao Parlamento e aos cidadãos para analisarem a questão.

No documento, o primeiro que se realiza sobre este tema, os deputados referem que deveriam votar o acordo final e apoiar a possibilidade de chegarem a um acordo "provisório", se for necessário.


A primeira-ministra espera falar na terça-feira sobre as negociações conduzidas pelo Governo para a saída do país da União Europeia.


Theresa May quer activar o artigo 50 do Tratado de Lisboa antes do final de Março e, uma vez que se inicie o processo, Londres terá dois anos para estabelecer os termos do "brexit" e do relacionamento futuro com Bruxelas.


Segundo o comité, seria "insatisfatório e potencialmente prejudicial", tanto para o Reino Unido com para a União Europeia, se a saída ocorresse sem se chegar a um acordo e por isso seria necessário ter previsto medidas de transição no caso de isto ocorrer.


O documento contempla ainda outras recomendações, nomeadamente a prioridade que deve ser dada à questão dos direitos dos cidadãos comunitários no Reino Unido e vice-versa nos debates parlamentares.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub