Política Governo cancela “briefing” com imprensa e abre portas para menor regularidade

Governo cancela “briefing” com imprensa e abre portas para menor regularidade

O encontro com os jornalistas marcado para esta sexta-feira não se realizou. O próximo será na próxima semana. Não foram dadas explicações. Só em Setembro é que haverá um “modelo mais consolidado”.
Governo cancela “briefing” com imprensa e abre portas para menor regularidade
Bruno Simão/Negócios

O Governo não realizou, esta sexta-feira, o “briefing” com os jornalistas, como estava programado. Além disso, também não se compromete com dois encontros na próxima semana.

 

“O Gabinete do Ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional informa que hoje [sexta-feira, 9 de Agosto] não há 'briefing'”, assinala um e-mail enviado pelo gabinete de Miguel Poiares Maduro.

 

Quando os encontros com jornalistas foram retomados, a 31 de Julho, foi assinalado que os “briefings”, que quando começaram deveriam ser diários, passariam a ser bissemanais. Iriam acontecer à terça e à sexta-feira. Contudo, na segunda semana desde que foram retomados os “briefings”, houve um cancelamento. O desta sexta-feira.

 

Na próxima semana, também não é certo quando haverá o “briefing”. “O próximo encontro entre o Governo e os senhores jornalistas será na próxima semana”, indica a mesma nota do gabinete de Poiares Maduro, onde o governante responsável pelas reuniões tem sido o secretário de Estado Adjunto, Pedro Lomba. Não se fala em terça e sexta-feira nem há um esclarecimento se irão ocorrer um ou dois “briefings”. Sobre este cancelamento e a marcação do próximo “briefing”, o gabinete do ministro Adjunto não faz mais comentários.

 

Menor regularidade

 

Os “briefings”, institucionalizados para melhorar a comunicação do Executivo de Passos Coelho com os jornalistas, têm sido fortemente criticados e os especialistas em comunicação afirmam que este é um caso em que a emenda foi pior do que o soneto, como escreve esta sexta-feira o Negócios. “É sabido que esteve Governo tem um enorme problema de comunicação, lida mal com os media. Os ‘briefings’ foram uma tentativa para melhorar, mas os efeitos têm sido perversos, muito por fruto da impreparação e amadorismo comunicacional de quem os faz”, explica Rui Calafate, especialista em comunicação e director-geral da Special One.

 

Ao Negócios, o gabinete de Poiares Maduro considerou, na quinta-feira, que o modelo inicial – de “briefings” diários – era um “teste”. Na altura, havia declarações em “on”, onde os jornalistas poderiam citar o que era dito, e em “off”, onde não se podia atribuir o que era dito. Com a crise política causada pelo pedido de demissão de Paulo Portas, os encontros foram suspensos e retomados apenas no final do mês de Julho, com uma menor frequência: as referidas duas vezes por semana.

 

Mas a frequência poderá vir a ser ainda menor. “Na sequência das solicitações dos jornalistas, o Governo já eliminou os ‘briefings’ em ‘off’ sendo que isto implicará uma menor frequência e regularidade”, revela o gabinete do ministro.

 

“O Governo continua a reflectir sobre as melhorias a introduzir no modelo e continuará a introduzir as alterações necessárias pretendendo ter um modelo mais consolidado a funcionar em meados de Setembro”, conclui o Executivo.




A sua opinião56
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Lourenço Barros 09.08.2013

Briefings da treta !!!

comentários mais recentes
j. costa 16.08.2013

Também com uma imprensa desta quem pode manter as portas abertas?

Anónimo 11.08.2013

Não há "Briefings" que "branqueiam" como os contribuintes pagam para "subsídios vitalícios " e não só :
Segue apenas um exemplo de como funcionam algumas autarquias:
"O "Sócrates de Gaia", Luís Filipe Menezes, mergulhou a Câmara de Vila
Nova de Gaia num mar de dívidas que outros terão de pagar, porque
agora o senhor quer ir endividar a Câmara do Porto. Como é que Menezes
legou à posteridade esse mar de dívidas? Através do seu magnífico olho
para a coisa pública, bem visível no seguinte negócio: *por apenas 500
euros por mês, o FC Porto garantiu (e garante) o direito de usar um
centro desportivo completamente novo*, o Centro de Estágio do Olival.
A construção deste complexo desportivo foi financiada pela Fundação
Porto Gaia, uma daquelas fundações fundamentalíssimas para o bem-estar
da pátria. Em 1999, a Porto Gaia foi constituída pela Câmara de Gaia,
pelo FC Porto e, repare-se, pela empresa municipal Águas de Gaia. Para
que serve uma empresa pública de águas? Para fazer relvados e balizas,
pois claro. Segundo a revista *Sábado*, esta fundação recebeu 4,2
milhões de euros de apoios públicos entre 2008 e 2010, e.... " Pinto
da Costa era o seu presidente"...., apesar de o FC Porto deter apenas
0,8% da instituição. Moral da história? *Através do sistema de
financiamento das fundações e/ou através da Câmara de Gaia, nós, os
contribuintes, oferecemos um complexo desportivo ao FC Porto. ***** "

Mas se houvesse justiça em Portugal, LFM, já cumpriu 3 madatos consecutivos, logo legalmente não poderia ser candidato.





COCAS 10.08.2013

Briefings ? ...... ou as chamadas conversas em família do Marcelo Caetano. A única diferença é que MC, era um politico, e este "AZELHA" não passa de um aprendiz de feiticeiro...... Imaginem ! ...se os da seita dele não confiaram, como podíamos nós faze-lo

Miguel 10.08.2013

Esta questão dos briefings é o espelho deste governo: decide-se e cancela-se em cima do joelho, sem qualquer planeamento nem previsão de impacto. Ninguém faz a mínima ideia do que esta a fazer, é atirar o barro à parede e ver se cola ou se tem de usar uma receita diferente.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub