Saúde Governo chama Jorge Jesus e Ana Malhoa para defender taxa sobre o sal

Governo chama Jorge Jesus e Ana Malhoa para defender taxa sobre o sal

A página do Serviço Nacional de Saúde divulgou vídeos com três personalidades a alertar contra o consumo excessivo de sal. O Governo está a tentar garantir que a taxa sobre os produtos com excesso de sal não é chumbada no Parlamento.
Governo chama Jorge Jesus e Ana Malhoa para defender taxa sobre o sal
Pedro Ferreira
Bruno Simões 22 de novembro de 2017 às 13:45

O imposto especial sobre produtos com excesso de sal – designado de taxa batata frita – foi uma das medidas mais emblemáticas que o Governo introduziu na proposta de Orçamento do Estado para 2018. Se for em frente, este imposto vai encarecer os pacotes de batatas fritas, bolachas e cereais com mais de um grama de sal por cada 100 gramas de produto. Porém, não há garantias de que a taxa avance, especialmente porque o PCP já disse ser contrário a impostos deste tipo – ao Observador, João Oliveira deu como garantido o voto contra.

 

O Governo, contudo, não desarma e tem vindo a insistir na moderação do consumo de sal nos últimos dias, antecipando as votações na especialidade do OE 2018, que hoje se iniciam. Esta terça-feira, por exemplo, foi colocado um texto na página do Serviço Nacional de Saúde em que nota que a "ingestão excessiva de sal é o comportamento alimentar inadequado que mais contribui para a perda de anos de vida saudável".

 

E na página do Facebook do SNS, começaram a ser partilhados também desde esta terça-feira vídeos com diversas figuras públicas a alertar contra o consumo excessivo de sal. Esta manhã foi divulgado um vídeo de Jorge Jesus, treinador do Sporting, a sugerir que se corte no consumo de sal. Esta terça-feira foram partilhados vídeos da cantora Ana Malhoa, que sugere que se corte o consumo de sal e se aumente o de pimenta, mas também da apresentadora Rita Ferro Rodrigues e da actriz Sara Matos.

 

A mensagem comum a todos os vídeos lembra as 30 toneladas de sal em excesso que os portugueses consomem diariamente – com base no Inquérito Alimentar Nacional, conduzido no ano passado e neste ano, que concluiu que cada português consome, em média, três gramas de sal a mais do que o recomendado.

A acompanhar cada um dos vídeos surge a mensagem: "A Assembleia da República votará, no âmbito do OE2018, a proposta da tributação sobre os alimentos com excesso de sal. Reduzir o consumo de sal na população portuguesa é urgente".



Ordens aprovam taxa sobre o sal


Ainda esta terça-feira, na conferência do Health Cluster Portugal, o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, mostrou ter esperança que as "iniciativas que os senhores bastonários da Saúde" desenvolveram para "ajudar os senhores deputados a compreender que a modelação do consumo de sal e açúcar são imperativos de saúde pública" pudessem "ter sucesso".

Num parecer enviado para a Assembleia da República, as Ordens dos Médicos, dos Nutricionistas, dos Enfermeiros, dos Farmacêuticos e dos Médicos Dentistas deram "parecer favorável" à taxa sobre produtos com sal e exigiram ainda medidas para a promoção da educação alimentar, bem como iniciativas junto da indústria alimentar para a reformulação de produtos, escreveu a Lusa.

Também à Lusa, à margem do Congresso dos Nutricionistas, que hoje decorre em Lisboa, o perito João Breda, da Organização Mundial de Saúde, afirmou que esta taxa "é uma das mais eficazes" para reduzir o consumo de sal.




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado salvador_guru Há 2 semanas

Há um assunto que ninguém fala: esta nova taxa a ser implementada será considerada um IEC e sendo assim estará sujeita a todas as burocracias a que isto tipo de bens se encontra atualmente (e-da, dic, etc).

Esta taxa vai penalizar e muito as pequenas empresas que terão de reafetar o seu pessoal ou mesmo recorrer a serviços de empresas especializadas em Iecs.

Esta taxa não resolve o problema do SNS e tem muitos mais efeitos negativos na economia que positivos.

comentários mais recentes
salvador_guru Há 2 semanas

Há um assunto que ninguém fala: esta nova taxa a ser implementada será considerada um IEC e sendo assim estará sujeita a todas as burocracias a que isto tipo de bens se encontra atualmente (e-da, dic, etc).

Esta taxa vai penalizar e muito as pequenas empresas que terão de reafetar o seu pessoal ou mesmo recorrer a serviços de empresas especializadas em Iecs.

Esta taxa não resolve o problema do SNS e tem muitos mais efeitos negativos na economia que positivos.

Rado Há 2 semanas

Mas porque temos de ser educados pelo "tirar"? Porque não há bónus para a redução do sal por exemplo no IVA?

Invicta Há 2 semanas

Se a Lei passar, sempre entram mais uns dinheiritos nos cofres do Estado. Este governo interessa-se tanto pela saúde dos Portugueses, que desde que paguem, podem comer o sal que quiserem.

Manuel Costa Há 2 semanas

Era preferível cancelar as importações de produtos alimentares com teor de sal >= 1% do que estar a empobrecer as famílias aplicando mais uma taxa. Ou então fazer com que as produtoras nacionais baixassem o teor de sal e fossem mais baratos os produtos.
O Governo dá com uma mão e tira com a outra.

ver mais comentários
pub