Economia Governo cria grupo para reformar supervisão financeira coordenado Carlos Tavares

Governo cria grupo para reformar supervisão financeira coordenado Carlos Tavares

Carlos Tavares vai coordenar o grupo de trabalho criado pelo Governo para avaliar o modelo de supervisão financeira e propor a sua reforma, segundo o despacho do ministro das Finanças publicado no Diário da República na quinta-feira.
Governo cria grupo para reformar supervisão financeira coordenado Carlos Tavares
Lusa 27 de janeiro de 2017 às 01:36

A acompanhar o antigo ministro da Economia de Durão Barroso e ex-presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários vão estar Maria Luísa Andrade de Azevedo Grilo e Pedro Gramaxo de Carvalho Siza Vieira.

 

No despacho de Mário Centeno, a criação do grupo de trabalho é justificada, em termos gerais, com o programa do Governo, onde se declara a vontade de "reorganizar as funções de regulação e supervisão, reforçar a independência dos reguladores e supervisores face aos setores regulados e a prevenir abusos no sector financeiro".

 

Esta vontade geral é alicerçada em situações mais específicas, como "a crise financeira mundial e as crises bancárias que lhe estiveram associadas", que "colocaram em evidência diversas falhas ao nível da supervisão e da regulação", bem como "questionaram a credibilidade e a reputação das entidades de regulação e supervisão".

 

Centeno mencionou ainda o projecto de criação da União Bancária e o inquérito parlamentar ao caso BES. Deste último, fez-se eco da recomendação de "reavaliação do actual modelo de supervisão financeira" e subsequente "introdução das mudanças necessárias ao reforço da sua eficácia e da coordenação dos supervisores".

 

O grupo de trabalho tem agora dois meses para apresentar um anteprojecto de documento de consulta pública e os anteprojectos dos diplomas legais que concretizem a reforma proposta.

 

Os membros do grupo de trabalho ou quem com eles colaborar não auferem qualquer remuneração ou abono pelo exercício destas funções, esclareceu-se ainda no despacho.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
A.Pera 27.01.2017

É o princípio de peter?

Carlos tavares, quero chouriças assadas em cahaça 27.01.2017

Esta gente não vê nada daquilo que faço, quanto mais merda eu faço, mais merda eles querem que eu faço.

Anónimo 27.01.2017

É como se metêssemos uma raposa num galinheiro. Então este senhor, e os antecessores, enquanto esteve na CMVM não detetou nenhum problema dos muitos que a generalidade dos bancos teve (e tem), e agora vai continuar indiretamente a trabalhar na supervisão?