Mercado de Trabalho Governo criou serviço com estagiários não pagos

Governo criou serviço com estagiários não pagos

O anúncio de recrutamento falava em estágios profissionais não remunerados, o que é ilegal. Governo diz que foi lapso e que se houver problema será corrigido. O Bloco considera que, a provar-se, é "inaceitável."
Governo criou serviço com estagiários não pagos
Bruno Simão/Negócios
Negócios 27 de maio de 2017 às 15:45

A Presidência do Conselho de Ministros criou um serviço que terá em funções mais estagiários sem receber remuneração do que funcionários do quadro. 

Em causa está, de acordo com o Diário de Notícias deste sábado, 27 de Maio, o recrutamento para uma nova unidade do Centro Jurídico da Presidência do Conselho de Ministros (CEJUR) para fazer a avaliação do impacto das leis.

Ao serviço deste departamento estão quatro estagiários não remunerados oriundos de universidades, a que se juntam dois consultores economistas do centro, refere o DN, que cita o anúncio publicado pela instituição em Janeiro:

"O CEJUR está disponível para integrar, como estagiários, alunos de mestrado ou doutoramento que desejem realizar um estágio profissional não remunerado". Uma figura, a do "estágio profissional não remunerado", que é ilegal, continua o periódico.  

A Presidência do Conselho de Ministros diz que a referência a estágio profissional é um "lapso", porque o que se queria dizer era "recrutamento de estágios curriculares" - uma designação que também aparece no ofício do anúncio.

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, já veio garantir que não há trabalho não remunerado no Governo. "Obviamente que se houver algum problema iremos corrigi-lo", afirmou citado pela Lusa.

Já o Bloco de Esquerda, pela voz do deputado José Soeiro, disse que este caso encerra "indícios" de estágios profissionais não remunerados no Estado e considerou "inaceitável" e "ilegal" caso seja verdade.

Este "projeto-piloto" da unidade de avaliação tem actualmente em curso "um processo de reforço de pessoal com recurso ao mecanismo de mobilidade na Administração Pública".


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 4 semanas

Não querem flexibilizar o mercado laboral e as regras laborais, incluindo no sector público que tanto necessita dessa flexibilização. Depois fazem disto que se chama escravatura.

comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

A solução é flexibilização do mercado laboral, coisa que já existe em grande medida nas economias mais desenvolvidas mas não em Portugal, e Estado de Bem-Estar Social, coisa que já existe em grande medida nas economias mais desenvolvidas mas não em Portugal porque o Estado de Bem-Estar Social português é só para uma parte da população e por isso temos uma Função Pública (e agora também um sector bancário) de Bem-Estar Social, mas não um Estado. Para a sustentabilidade dos Estados, a competitividade das economias e a equidade das sociedades do mundo desenvolvido, os custos do excedentarismo e da blindagem anti-mercado que o garante e perpétua são incomensuravelmente maiores do que aquele Estado de Bem-Estar Social universal num mercado efectivamente concorrencial e flexível.

Anónimo Há 4 semanas

Não querem flexibilizar o mercado laboral e as regras laborais, incluindo no sector público que tanto necessita dessa flexibilização. Depois fazem disto que se chama escravatura.

pub
pub
pub
pub