Mercado de Trabalho Governo destaca taxa de desemprego mais baixa da década e crescimento do emprego

Governo destaca taxa de desemprego mais baixa da década e crescimento do emprego

O secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita, destacou hoje que a taxa de desemprego alcançou o valor mais baixo da década e que o crescimento do emprego surge como "a grande alavanca" do mercado de trabalho.
Governo destaca taxa de desemprego mais baixa da década e crescimento do emprego
Bruno Simão/Negócios
Lusa 30 de outubro de 2017 às 15:16

"A revisão em baixa no mês de agosto confirma a tendência do mercado de emprego ao longo do último ano. Significa que temos agora uma taxa 2,1 pontos percentuais abaixo do mês homólogo e que estamos perante um novo mínimo desde Julho de 2008, portanto na prática estamos a falar do valor mais baixo da última década", disse à agência Lusa o governante.

 

O Instituto Nacional de Estatística (INE) reviu hoje em baixa de 0,1 pontos percentuais a taxa de desemprego de agosto para 8,8%, o valor mais baixo desde Novembro de 2008, estimando para Setembro uma nova queda para os 8,6%.

 

Para Miguel Cabrita, os novos dados divulgados apontam "para o aprofundamento de uma tendência" e sinalizam o crescimento do emprego "como a grande alavanca da melhoria do mercado de trabalho e da economia".

 

"Tem a ver com o comportamento do mercado de emprego ao longo do último ano, com o clima de confiança que é transversal, em alguns casos com níveis históricos, entre os consumidores, entre os investidores, entre os empresários, a que não é alheio o clima económico positivo que temos vivido e as políticas públicas que se têm orientado para uma devolução de rendimentos e para gerar também esse dinamismo económico que é completamente distinto daquele que tínhamos há uns anos", disse.

 

Miguel Cabrita realça ainda que esta recuperação do mercado de emprego "é muito alicerçada na criação de novos empregos, ou seja, o crescimento do emprego foi mais expressivo do que a diminuição do desemprego".

 

"Há um dinamismo muito forte, um fluxo muito forte de pessoas a entrar no mercado de trabalho", sinalizou.

 

O valor apurado para Agosto representa uma descida em 0,1 pontos percentuais face ao mês anterior e menos 0,4 pontos percentuais em relação a três meses antes, sinaliza o INE.

 

A estimativa provisória da população desempregada de Setembro foi de 442 mil pessoas, tendo diminuído 2,1% (9,7 mil) em relação ao mês anterior e 5,5% (25,8 mil) face ao observado três meses antes.

 

Já a estimativa da população empregada foi de 4,716,7 milhões de pessoas, tendo aumentado 0,1% (6,9 mil) em relação ao mês anterior e 0,8% (37,1 mil) em relação a três meses antes. Este valor foi revisto, relativamente ao provisório publicado há um mês, em mais 0,2% (11,7 mil)

 

Segundo o INE, em Setembro a taxa de desemprego dos jovens (provisória) situou-se em 24,8%, contra os 24,8% observados no mês precedente.

 

Já a taxa de desemprego dos adultos foi de 7,2%, descendo dos 7,5% de Julho.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

A única resposta que os direitalhopitecos encontram para estes números é uma colecção de insultos e impropérios. Nada que não fosse previsível.

General Ciresp Há 2 semanas

Custa a compreender:pais tao pobre,e um caralho indiano com um rebanho tao ENORME A SUA VOLTA.Foda-se,foda-se.

General Ciresp Há 2 semanas

Coitado do lavrador que deita sementes a terra e so lhe aparece ervas manihas.

pub