Segurança Social Governo dilata prazo de pagamento de dívidas à Segurança Social

Governo dilata prazo de pagamento de dívidas à Segurança Social

O Governo decidiu prolongar o prazo do pagamento de dívidas à Segurança Social até ao próximo dia 13 de Janeiro.
Governo dilata prazo de pagamento de dívidas à Segurança Social
Pedro Elias/Negócios
David Santiago 30 de dezembro de 2016 às 19:09
O prazo para o pagamento de dívidas à Segurança Social foi prolongado, "por 10 dias úteis", pelo Governo até ao próximo dia 13 de Janeiro. O comunicado enviado às redacções ao final da tarde desta sexta-feira, 30 de Dezembro, pela Secretaria de Estado da Segurança Social, refere que esta decisão é tomada no âmbito do Programa Especial de Redução do Endividamento ao Estado (PERES), e que abrange "todos os contribuintes que efectuaram a sua adesão até dia 23 de Dezembro".

Na nota pode ainda ler-se que "tendo em conta a forte adesão por parte dos contribuintes até ao dia 23 de Dezembro, reflectida no número de Documento Único de Cobrança (DUC) emitidos pela Segurança Social, optou-se pela prorrogação do prazo de pagamento dando oportunidade aos contribuintes de efectuar os respectivos pagamentos".

Desta forma, todos os contribuintes que haviam aderido ao PERES e que tenham um DUC emitido com data-limite de pagamento até ao presente dia 30 de Dezembro "poderão regularizar a sua situação contributiva" até ao dia 13 de Janeiro de 2017 "utilizando o mesmo documento, não sendo necessária a emissão de DUC de substituição", explicita a Secretaria de Estado. 

Ainda segundo a informação que consta do comunicado enviado às redacções, entre o dia 4 de Novembro, "data em que se iniciou o programa especial", e o passado dia 23 de Dezembro, "data-limite de adesão ao PERES", houve um total de 49.099 contribuintes que aderiram ao referido programa, "originando a emissão e reemissão de Documentos Únicos de Cobrança de aproximadamente 300 milhões de euros".

Destes contribuintes, 34% escolheram a modalidade de pagamento integral dos montantes em dívida, sendo que os restantes 66% optaram pelo pagamento em prestação, esclarece a nota. A finalizar, o Governo salienta que "o valor cobrado até ao dia 29 de Dezembro ascendia a cerca de 52,2 milhões de euros".

(Notícia actualizada às 19:25)



A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Arturo Juan Rodrigues Há 3 semanas

Normal com esquerdelhos

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas


Os FP/CGA devem mais de 30 mil milhões de € ao estado (aos restantes contribuintes).


Ladrões PS - PCP - BE - e seus apoiantes - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


400 milhões de Euros para aumentar as pensões baixas, são migalhas em comparação com...


os mais de 4600 milhões de euros que o Estado vai injetar, em 2017 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o pagamento do buraco anual das pensões dos FP-CGA.


Anónimo Há 3 semanas

É preciso rapar o tacho até à última!!! Um desgoverno miserável!!!

Arturo Juan Rodrigues Há 3 semanas

Normal com esquerdelhos

Anónimo Há 3 semanas

O PERES das dívidas à Segurança Social foi um fracasso daí o prolongamento do prazo. E que tal fazerem um novo prazo para as dívidas ao Fisco sempre eram mais uns cobres para pagar às clientelas geringonças.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub