Economia Governo e Bloco distantes no IRS e sem proposta nas progressões no Estado

Governo e Bloco distantes no IRS e sem proposta nas progressões no Estado

Após a reunião que juntou Governo e Bloco de Esquerda, mantinham-se as divergências de fundo sobre a redução do IRS. Quanto às progressões dos trabalhadores do Estado, o Governo ainda não tem pronta a sua proposta.
Governo e Bloco distantes no IRS e sem proposta nas progressões no Estado
Manuel Esteves 29 de agosto de 2017 às 21:08
O Governo e o Bloco de Esquerda estiveram esta tarde reunidos para retomar as negociações sobre o Orçamento do Estado para 2018, mas segundo apurou o Negócios os desenvolvimentos foram parcos. 

No que toca aos escalões do IRS, as discordâncias mantêm-se. A proposta do Governo continua muito distante do que é pedido pelos bloquistas, que reclamam o desdobramento do terceiro escalão de modo a beneficiar mais famílias. Já o Governo insiste que não pode ir muito além dos 200 milhões de euros inicialmente propostos. 

Em entrevista à Lusa, publicada esta terça-feira à noite, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais fala em 3,6 milhões de agregados beneficiados com a redução do IRS. Porém, Pedro Nuno Santos não adianta detalhes que permitam perceber como são beneficados estes contribuintes. 

"Haverá um alívio fiscal para os trabalhadores e estamos a falar de 3,6 milhões de agregados que serão beneficiados com este alívio fiscal, estamos a falar de alguma coisa com significado. Agora tem de ser feito com a necessária responsabilidade que proteja e defenda o próprio orçamento e a medida", revelou Pedro Nuno Santos em entrevista à agência Lusa, que apenas será divulgada na íntegra nesta quarta-feira.

Quanto ao descongelamento das carreiras, uma das grandes bandeiras do Orçamento do Estado para 2018, a discussão ainda está muito atrasada. Tal como o Negócios escreveu na edição desta terça-feira, o Governo já tem um levantamento das situações no Estado mas ainda não dispõe de uma proposta concreta. A intenção é proceder a um descongelamento gradual de modo ao longo de vários anos, mas o Governo ainda não terá decidido como fará esse gradualismo: fazendo progredir todos os funcionários gradualmente ou fazendo progredir uns mais depressa do que outros. Certo é que será tido em conta os casos das carreiras que tiveram algum tipo de actualização no passado, segundo adiantou o primeiro-ministro em entrevista ao Expresso. 

Para a semana haverá nova reunião entre o Governo e o Bloco, onde o Ministério das Finanças deverá estar representado. Espera-se que aí já haja desenvolvimentos mais concretos sobre a proposta do Governo.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz Há 2 semanas

CONVERSA DA TRETA...!!!

Nã, tudo cinza para os nossos olhos. Há 3 semanas

O PS do costa e o BE são cabelos do mesmo cão, como tal, estão a fazer fitas, cenas para não desagradarem a qualquer um dos seus votantes. Faz parte da farsa, para enganarem os papalvos dos Tugas. Como calculista e oportunistas que são, estão simplesmente à procura do mesmo ângulo para a coisa.

pub
pub
pub
pub