Economia Governo e Bloco retomaram negociações sobre reforma da floresta

Governo e Bloco retomaram negociações sobre reforma da floresta

O impasse gerado pelas votações desta madrugada obrigou o Executivo a procurar novos entendimentos que permitam assegurar ao máximo a reforma da floresta.
Governo e Bloco retomaram negociações sobre reforma da floresta
Miguel Baltazar

O Governo e o Bloco de Esquerda retomaram as negociações sobre a reforma da floresta depois do impasse criado esta madrugada durante a votação na especialidade do diploma sobre a criação do cadastro de terras, sabe o Negócios.

 

O objectivo é encontrar condições que permitam aprovar o máximo de artigos dos vários diplomas que formam a reforma da floresta, que será votada esta quarta-feira no último plenário desta sessão legislativa.

 

A votação na especialidade dos diplomas da reforma das florestas acabou por ficar marcada por uma reviravolta inesperada, com o Bloco de Esquerda a juntar-se à direita e a inviabilizar parte do acordo entre o PCP e o Governo.

 

Nas negociações com o Executivo, para chegarem a acordo no pacote de reforma das florestas, o PCP impôs que os terrenos sem dono conhecido ficassem de fora do futuro banco público de terras. O Bloco de Esquerda recusou que assim fosse, mesmo com o compromisso de que mais tarde, depois de efectuado o cadastro no projecto piloto para as áreas ardidas, o Governo iria legislar sobre o assunto, já sem ser precisa intervenção do Parlamento. 

 

Com o voto contra do BE, a que se juntou os do PSD e do CDS-PP, o acordo do o Governo com o PCP ficou por terra, havendo o risco de os comunistas inviabilizarem os diplomas do cadastro simplificado e do banco de terras na votação em plenário, desta tarde.

 

A votação está marcada para a partir das 15:00, mas o guião para o último dia de votações revela que a tarde vai ser longa.  




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub