Economia Governo e geringonça perguntam: Afinal, onde é que pára o diabo?

Governo e geringonça perguntam: Afinal, onde é que pára o diabo?

O crescimento de 1,6% no terceiro trimestre foi o grande tema na audição do ministro da Economia. O Governo, PS, PCP e Bloco de Esquerda recordaram as palavras de Passos Coelho que avisava que a economia portuguesa ia continuar a degradar-se.
Governo e geringonça perguntam: Afinal, onde é que pára o diabo?
Miguel Baltazar
André Cabrita-Mendes 15 de novembro de 2016 às 20:15

Afinal, onde é que pára o diabo? Esta foi a pergunta mais ouvida no Parlamento durante a audição do ministro da Economia no Parlamento. Manuel Caldeira Cabral ia ao Parlamento falar sobre o Orçamento do Estado para ao próximo ano. Mas na sua pasta levava um crescimento da economia em 1,6% no terceiro trimestre.

 

Se a oposição criticou a falta de investimento e as políticas que o Governo está a colocar em prática leva, os partidos da geringonça preferiram relembrar-se das palavras do líder da oposição no final de Julho. "Gozem bem as férias que em Setembro vem aí o diabo", disse Passos Coelho na altura.

 

Passado Setembro, e com os dados do terceiro trimestre já na mão, o ministro da Economia deu o tiro de partida. "Eu convido o grupo parlamentar do PSD a reconhecer este crescimento e a reconhecer os factos positivos. Convido-o a mudar o discurso meramente negativo, do tal diabo que não chega", afirmou Manuel Caldeira Cabral esta terça-feira, 15 de Novembro.

 

Os dois partidos que apoiam o Governo PS no Parlamento também relembraram as palavras do líder da oposição. Pelo Bloco de Esquerda, Heitor Sousa frisou que o "diabo não vai mesmo aparecer". Pelo PCP, Bruno Dias apontou que "não há meio do diabo aparecer". O deputado comunista destacou que os dados do crescimento "dão conta de mais criação de riqueza e mais criação de emprego, num quadro de devolução de rendimentos". 

 

Já a bancada parlamentar do PS, lançou críticas à oposição. "Passado um ano, o diabo não chegou a Portugal, nem a economia foi afectada. Em seu lugar surgiu um super crescimento económico", apontou o deputado Carlos Pereira.

 

"Ficou claro que a vossa estratégia está morta, era bom que reconhecessem o falhanço", acrescentou o socialista.


A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 16.11.2016

E a espiral recessiva que a esquerda andou a apregoar? Onde foi parar? A esquerda convence-se que consegue fazer a quadratura do circulo, não faz reformas, reverte as que foram feitas anteriormente e convence-se que com isso consegure colocar a economia a disparar. Numa economia dum pais as boas e mas decisoes politicas nao têm efeitos imediatos, os efeitos (bons ou maus) sentem-se a medio prazo. A geringonca esta a colher os frutos do trebalho e das reformas que foram feitas anteriormente, no futuro virá quem vai colher os frutos das reversoes que estes têm feito.

MAFARRICO 16.11.2016

Onde para o diabo ? Mas então não sabem ? O diabo esta no inferno que é o PSD neste momento. São distritais à cacetada. São barões a tirar o tapete a Passos Coelho. São os novos jovens turcos a quererem tomar o poder. Aquilo arde. Aquilo está a queimar muita gente. É no inferno do PSD que esta diabo

Anónimo 16.11.2016

Não sabia que o INE agora fornecia previamente ao governo as suas publicações. Será que as publicações do INE antes de serem do conhecimento público também vão primeiro ao conselho de ministros?

Anónimo 15.11.2016

Ah sim? São dados do INE? Onde António Costa já estendeu a sua teia na qual inclui o António Domingues para a CGD e na mesma teia onde desde o primeiro dia caiu essa barata tonta que temos como PR...

ver mais comentários
pub