Economia Governo enaltece "trabalho de excelência" dos operacionais no combate aos incêndios

Governo enaltece "trabalho de excelência" dos operacionais no combate aos incêndios

O secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, destacou este sábado o "trabalho de excelência" dos operacionais que combatem os incêndios em vários pontos do país e o voluntariado "exemplar" de cidadãos em apoio aos bombeiros.
Governo enaltece "trabalho de excelência" dos operacionais no combate aos incêndios
Lusa 12 de agosto de 2017 às 10:21
Jorge Gomes (na foto) deslocou-se ao início da madrugada de hoje à localidade de Portela, no concelho de Montemor-o-Velho, distrito de Coimbra, onde está instalado o centro de comando do incêndio que deflagrou na sexta-feira em Portunhos, Cantanhede e onde, numa associação local, diversos voluntários fornecem refeições aos operacionais que combatem as chamas.

"Temos uns operacionais, realmente, extremamente profissionais e temos uma sociedade que responde, nestes momentos, de uma forma que só os portugueses são capazes", disse o secretário de Estado aos jornalistas.

Questionado sobre se o Governo recebeu, nos últimos dias, algum pedido específico por parte dos operacionais que combatem os incêndios, Jorge Gomes respondeu que não e reafirmou que o executivo "reconhece neles, em todos eles sem excepção, uma grande força que o país tem".

"Confesso que a única coisa que precisariam, neste momento, era de dois ou três dias de descanso. De facto, estes reacendimentos constantes não só desgastam em termos físicos, porque têm de combater um incêndio que acabaram de apagar, como sobretudo é um desgaste de desilusão", frisou Jorge Gomes.

O secretário de Estado disse ainda que 2017 "tem sido um ano atípico, perfeitamente atípico" no que aos incêndios florestais diz respeito.

"Um ano com uma falta de humidade enorme, uma severidade de humidade bastante complexa, temos muita massa combustível extraordinariamente seca, um comportamento de ventos que não tem sido, também, nunca normal. É um ano que está a decorrer como está a decorrer e nós estamos cá, a continuar a persistir, não permitindo que sejamos vencidos pelas chamas", declarou.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 13.08.2017

A incompetência, o dolo e o desleixo subjacentes aos escândalos de Tancos e Pedrógão são reflexo da incompletude das reformas sugeridas a Portugal pelo FMI, a União Europeia e a própria OCDE. Se o excedentarismo continuadamente subsidiado e o sobrepagamento bem acima do preço de mercado, têm a primazia por parte do poder político e da sociedade em geral, com prejuízo para o investimento reprodutivo, a inovação e o empreendedorismo capazes de criar valor, Tancos, Pedrógão e o 6 de Abril de 2011, serão sempre o corolário lógico de tais opções políticas e desígnios populares.

Incêndios é um negócio que dá milhões p/ alguns. 13.08.2017

Empresas privadas para apagar os fogos foi entregar ás raposas,eles pagam a mercenários para deitar o lume ao montes,essas empresas se não houver fogos vão há falência. fui criada na montanha o mato só arde quando lhe deitam o fogo,o resto são tretas das raposeiras dos negócios sujo dos fogos.

Qual trabalho de excelência? 12.08.2017

Aquele em que o país arde todo? De norte a sul, de este a oeste?
Se extinguirem a ANPC o país deixa de arder. O país não precisa de gestores da treta e do ar condicionado. Pagar para sustentar incompetência? Não, obrigado!
Deiam o comando dos fogos aos bombeiros, e a quem percebe do assunto.

General Ciresp 12.08.2017

Coitado do PATEGO,com tantos incendios,tem ainda necessidade de puxar a brasa para junto de si.

Saber mais e Alertas
pub