Impostos Governo estuda escalão intermédio para baixar IRS

Governo estuda escalão intermédio para baixar IRS

O Governo está a estudar uma redução no imposto para famílias com rendimentos anuais entre 13.500 e 27.500 euros, de acordo com o Correio da Manhã.
Governo estuda escalão intermédio para baixar IRS
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 17 de maio de 2017 às 08:54

O Governo está a estudar um possível alívio fiscal para famílias com rendimentos entre os 13.500 euros e os 27.500 euros, a partir do próximo ano. A medida, que ainda está a ser negociada, implicaria a criação de um novo escalão do IRS, entre os actuais 2º e 3º escalões.


A notícia é avançada pelo Correio da Manhã, que garante que há abertura do Governo para esta proposta, apesar de as negociações com o PCP e o Bloco de Esquerda sobre o Orçamento do Estado ainda estarem no início.

Esta terça-feira, o Bloco de Esquerda defendeu um alívio fiscal de 600 milhões de euros no IRS no próximo ano. Ou seja, três vezes mais do que o Governo prevê no Programa de Estabilidade.

"Achamos que é preciso, digamos assim, uma despesa fiscal em criação de escalões próxima dos 600 milhões de euros, no mínimo, para este Orçamento [2018], outro tanto no próximo, para podermos desfazer a enorme injustiça que foi criada por Vitor Gaspar", disse a coordenadora do Bloco em entrevista à SIC Notícias.

Anular o "enorme" aumento de impostos teria um custo de dois mil milhões de euros. Isto de acordo com a coordenadora do Bloco de Esquerda, que já tinha admitido uma redução faseada, ou seja, em vários anos. O Bloco de Esquerda reviu entretanto em baixa a sua estimativa.




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
jaquim 18.05.2017

Será que a MAIORIA dos contribuintes ( trabalhadores no activo e reformados ) têm rendimentos superiores a 800 euros ( solteiros, div ou viuvos ) ou 1600 ( casais ) ? Não acredito e são estes que mais têm sido prejudicados.
Assim não vamos a lado algum . Continuam a fazer pobreza
Jaquim Sofre

Anónimo 18.05.2017

Qual foi o beneficio do irs dos contribuintes do primeiro escalão desde 2015. Foi ZERO ou muito proximo de zero. E vai continuar ZERO.
Assim não vamos a lado nenhum. Os governantes pensam 1º neles 2º neles 3º neles etc etc etc . O aumento das coisas é igual pra todos e assim
Jaquim Sofre Mais

Anónimo 18.05.2017

As pessoas preocupam -se com os ciganos e com aquilo que se deviam preocupar nada. Ora bem o primeiro escalão de rendimentos aplica-se a todos os que têm rendimentos superiores a 609 euros por mes (solteiros ) ou 1200 ( casais ) e vai ate pouco mais de 800 euros (solteiros ) ou 1600 euros (casais ).

admirador da Catarina 18.05.2017

«uma despesa fiscal em criação de escalões próxima dos 600 milhões de euros» Se alguém me explicar o que este insonsado de palavras quer dizer fico agradecido. O google tradutor ainda não traduz de catarinês para português. Estará para breve, se a miúda continuar a "expremer-se" assim...

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub