Finanças Públicas Governo fecha a porta à "reestruturação sistémica da dívida"

Governo fecha a porta à "reestruturação sistémica da dívida"

"Portugal não tenciona renegociar a sua dívida, no sentido de pedir aos seus credores uma lógica qualquer de um corte do 'stock' da dívida devida", afirmou Augusto Santos Silva no Parlamento.
Lusa 08 de Novembro de 2016 às 17:09
O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, garantiu esta segunda-feira, 8 de Novembro, no Parlamento que Portugal "não tenciona renegociar a sua dívida", pedindo aos seus credores um corte no 'stock' da dívida.

"Portugal não tenciona renegociar a sua dívida, no sentido de pedir aos seus credores uma lógica qualquer de um corte do 'stock' da dívida devida. Portugal não tenciona suscitar por si qualquer processo de reestruturação sistémica da dívida", afirmou o ministro.

Santos Silva falava numa audição conjunta das comissões parlamentares de Assuntos Europeus e de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, a propósito da proposta do Orçamento do Estado para 2017, e respondia a uma questão do CDS-PP.



A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado matita42 Há 3 semanas

Só com muito cinismo se pode defender esta posição de Santos Silva pois enquanto afirma que não apoia a "reestruturação sistémica da dívida" aumenta-a mensalmente aem cerca de mil e quinhentos milhões.
Como pensa então resolver o problema? Que volte a aparecer um qualquer Teixeira dos Santos a afirmar que os juros já não são suportáveis mas isso só se mudarem de ministro das finanças.

comentários mais recentes
Cláudio Márcio Araújo da Gama Há 1 semana

O QUADRO MACROECONÔMICO PARA A ADMINISTRAÇÃO DAS FINANÇAS PÚBLICAS

Mais em:

http://www.administradores.com.br/producao-academica/o-quadro-macroeconomico-para-a-administracao-das-financas-publicas/6815/

Manuel Rui Osório Nunes Há 3 semanas

Não acredito na palavra deste homem nem na dos homens do PS, nenhum deles tem honra

Victor Silva Há 3 semanas

?--?»O que não impede que Portugal tente reduzir as tachas de juro agiotas ou ir aos mercados pedir dinheiro a juros mais baixos e ir pagando a dívida aos agiotas da UE. É o que qualquer cidadão honrado e não completamente idiota faria para reduzir ao mínimo os encargos com a dívida. Não há razão nenhuma para Portugal continuar a resgatar a banca Alemã. Ser honrado e cumprir com os compromissos não implica ser burro como pretendem alguns "génios" frustrados com o rumo da História... http://www.rtp.pt/noticias/economia/ex-conselheiro-de-durao-diz-que-emprestimos-a-portugal-e-grecia-foram-resgates-a-banca-alema_v736671

Sandra Nogueira Há 3 semanas

Primeiro mandaram barro e esperaram pela reacção do eurogrupo. Perante a nega liminar que receberam, agora dizem que são eles que não querem renegociação. E a Catarina que não quer largar o poleiro, vai tomar qualquer coisinha para as más digestões e engolir o sapinho :D

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub