União Europeia Governo francês confia que Paris pode atrair financeiros preocupados com Brexit

Governo francês confia que Paris pode atrair financeiros preocupados com Brexit

O secretário de Estado adjunto do ministro da Economia francês, Benjamin Griveaux, declarou-se confiante, na terça-feira, em Londres, na capacidade de Paris atrair actores financeiros inquietos com a saída do Reino Unido da União Europeia.
Governo francês confia que Paris pode atrair financeiros preocupados com Brexit
Reuters
Lusa 13 de setembro de 2017 às 07:21
"Vai haver anúncios, mas não me compete a mim fazê-los. Compete aos principais interessados fazê-lo, porque a escolha estratégica é a sua e o calendário é o seu. Nem se trata de pressionar. Creio mesmo que seria contraprodutivo", declarou, durante um encontro com jornalistas.

Griveaux está em Londres, na terça e quarta-feira, para se reunir com instituições financeiras que podem ser tentadas a transferir parte das suas actividades para o continente, considerando aquela saída, o designado 'Brexit', prevista para março de 2019.

As suas declarações ocorrem quando a concorrência é rude entre as grandes capitais financeiras europeias, como Dublin, Frankfurt ou Amesterdão, para além de Paris.

Griveaux exprimiu a sua satisfação com o anúncio feito na segunda-feira pela seguradora norte-americana Chubb, que escolheu Paris para a sua nova sede europeia, e lembrou que já foram anunciadas as transferências para a capital francesa de parte da actividade do banco britânico HSBC e de bancos franceses que estavam implantados no Reino Unido.

O 'Brexit' pretendido pelo governo de Theresa May implica a perda do passaporte financeiro europeu, que permite aos grandes bancos internacionais propor serviços na União Europeia, estando estabelecidos no Reino Unido.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub