Economia Governo garante 100 novos sapadores florestais no terreno “dentro de poucos dias”

Governo garante 100 novos sapadores florestais no terreno “dentro de poucos dias”

Estão concluídos os procedimentos para que entrem em acção 20 novas equipas de sapadores florestais, com cinco membros cada. O Governo atribui a cada uma verbas de 40 mil euros ano, mais equipamento e viaturas. Um investimento total de 2,1 milhões de euros.
Governo garante 100 novos sapadores florestais no terreno “dentro de poucos dias”
Paulo Duarte
Filomena Lança 27 de julho de 2017 às 16:59

As novas 20 equipas de sapadores bombeiros "serão apresentadas dentro de poucos dias", afirmou ao Negócios fonte oficial do Ministério da Agricultura. Ao todo serão uma centena de operacionais, que já tiveram formação e estarão devidamente equipados com fardas e viaturas. Nesta quinta-feira, 27 de Julho, foram publicados em Diário da República dois despachos que determinam, entre outros detalhes, o financiamento que será atribuído às novas equipas, um dos aspectos que faltava ainda formalizar.

 

Assim, as equipas receberão apoios provenientes do Fundo Florestal Permanente (FFP) até um máximo anual de 40 mil euros cada. Na sequência, aliás, do que havia já sido determinado em Janeiro para a generalidade destas equipas que estão já no terreno, altura em que esta verba aumentou de 35 mil para 40 mil euros ano.

 

Este valor "corresponde aos trabalhos de serviço público realizados num período de 110 dias de trabalho" por ano, lê-se no despacho agora publicado e assinado ainda pelo anterior secretário de Estado das Florestas, Amândio Torres. Os restantes períodos deverão ser geridos pelas próprias entidades que criaram as equipas.

 

O processo de criação das novas equipas demorou vários meses, já que implicou o lançamento de concursos públicos, não só para escolher as entidades que iriam desenvolver as equipas, mas para adquirir o equipamento necessário, incluindo viaturas, que deverão agora ser entregues, para que comecem a trabalhar. O investimento total, explica o Ministério da Agricultura, soma 2,1 milhões de euros.

 

A lista pode ser consultada no site do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e inclui associações de produtores florestais e municípios de Norte a Sul. Com as novas entradas, o país passa a contar, ao todo, com 292 equipas de sapadores florestais. Estes operacionais, recorde-se, são especializados na prevenção e combate aos incêndios florestais e têm por missão, por exemplo, realizar acções de roçagem de matos, limpeza de povoamentos, manutenção de linhas quebra fogo e, em geral, de vigilância. Havendo incêndios, são também eles que colaboram no combate e, posteriormente, nas acções de rescaldo.

 

No conjunto de diplomas recentemente aprovados, no âmbito da reforma das florestas, ficou determinado que até 2019 o país chegará às 500 equipas de sapadores florestais, uma imposição que resultou das negociações com o PCP e que incluiu também o compromisso de criação do corpo de guardas florestais.


Privados podem pedir reconhecimento 

Note-se que, além das equipas apoiadas por fundos públicos, há também outras, criadas por privados, nomeadamente por empresas ligadas ao sector do papel. Um outro diploma, publicado também esta quinta-feira, 27 de Julho em Diário da República, estabelece que as entidades que detenham este tipo de equipas, com funções idênticas às das equipas do Programa de Sapadores Florestais, podem requerer o reconhecimento dessas mesmas equipas ao ICNF.

 

São, porém, fixadas algumas regras, nomeadamente que as equipas candidatas ao reconhecimento terão de ser constituídas por cinco elementos, um dos quais com funções de chefia, e que disponham de formação e equipamento idênticos aos das equipas de sapadores públicos. Cada uma dessas equipas deverá ter a seu cargo pelo menos 2.500 hectares de floresta contígua ou de áreas florestais em descontinuidade desde que não distem entre si mais de 500 metros. Estas áreas não poderão sobrepor-se a outras que estejam já a ser vigiadas.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 08.08.2017

António Costa na CML diminuiu os sapadores, e agora que se vê com fogos atrás de fogos, cria 20 equipas do nada! Quando é que tiveram formação? Vão apagar fogos? Pois, como sapadores, só atacam no início...

Em poucos dias... 27.07.2017

..."depressa e bem, não há quem" diz o ditado. Vejam lá se em vez de contratarem sapadores florestais contratam pirómanos (como o outro que está acusado de atear fogos...)

anonimo 27.07.2017

No meu concelho existem sapadores da autarquia, no entanto atrás da minha casa e de outras existe um matagal privado.Nem o dono nem a autarquia fazem nada.Estamos sempre com o coração nas mãos.Eu tento limpar alguma coisa junto ao meu quintal, para isso tenho que saltar uma rede

Anónimo 27.07.2017

Todos os sapadores florestais deveriam ter conhecimentos de saberem trabalhar com máquinas de terraplanagem, com a finalidade de construirem asseiros e limpezas, assim conseguirem evitar que os incêndios passem de um asseiro para o outro.

pub
pub
pub
pub