Emprego Governo garante que lei laboral não entra no debate do salário mínimo

Governo garante que lei laboral não entra no debate do salário mínimo

É "especulação" relacionar o debate sobre o salário mínimo com o das alterações à legislação laboral, garante Vieira de Silva. Que também disse que gostava que as alterações à lei integrem um acordo de médio prazo.
Governo garante que lei laboral não entra no debate do salário mínimo
Miguel Baltazar/Negócios
Catarina Almeida Pereira 23 de Novembro de 2016 às 15:20

O ministro do Trabalho, Vieira da Silva, afirmou esta quarta-feira, 23 de Novembro, no Fórum TSF que o debate sobre legislação laboral que será lançado a partir da apresentação do livro verde das relações laborais, esta quinta-feira, não está relacionado com o do salário mínimo.

Questionado sobre a notícia do Negócios, que explica que o Governo agendou os dois temas na reunião desta quinta-feira, numa altura em que os patrões pedem travões à legislação laboral para assinar um acordo – relacionando as duas negociações – o ministro garantiu que fazer essa associação é "especulativo".

"Essa especulação também a percebo, mas não faz sentido. Faz parte do programa do Governo e faz parte do programa da concertação social o debate sobre a questão das relações laborais", começou por responder o ministro.

"Será um debate um pouco mais longo que ultrapassará os limites temporais do debate do salário mínimo. Será uma primeira apresentação de um primeiro rascunho do livro verde, temos de receber contributos dos parceiros e portanto não está incluído neste debate", acrescentou.

Vieira da Silva também reconheceu, no entanto, que gostava que as matérias laborais fossem incluídas num acordo de médio prazo. "Se for possível, tudo faremos para isso", respondeu.

Patrões e presidente discordam

Os acordos de médio prazo que têm sido colocados em cima da mesa - até pelo Governo – têm como horizonte a garantia do aumento dos 600 euros ao longo da legislatura. E os cenários admitidos pelas confederações patronais passam por travões às alterações à legislação laboral.

António Saraiva foi o primeiro a dizer que o Governo teria de pagar um "preço" por um acordo que travasse, por exemplo, a intenção de Bloco de Esquerda e PCP, que querem repor os dias de férias.

"O que é para nós importante para um acordo de médio e longo prazo? Não [haver] alterações de fundo à legislação laboral", disse também Francisco Calheiros, da confederação do Turismo, em declarações ao Negócios há pouco mais de uma semana.

Para João Machado, da CAP, é por exemplo importante que o Governo reveja a sua posição e não acabe com banco de horas por negociação individual. "É preciso avançar com propostas favoráveis aos empregadores", acrescentou.

Até a UGT propôs que a caducidade das convenções colectivas - importante para os patrões - fosse mantida, desde que houvesse um compromisso para não recorrer a esta figura durante o período de vigência do acordo.

O Presidente da República, que tem incentivado activamente um acordo de médio prazo em concertação social, também relacionou as duas matérias.

Quando convocou os parceiros sociais a Belém, há cerca de duas semanas, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou, segundo a Lusa, que queria discutir um acordo que inclua, além do salário mínimo nacional, pontos como a lei do trabalho, a lei fiscal e a competitividade.




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana



SALÁRIO MÉDIO DOS PROFESSORES PORTUGUESES É O 3.º MAIS ALTO DA EUROPA, EM 2015 (antes da reposição de salários dos FP).

"No caso dos docentes com salários mais altos, em que o rendimento dos docentes é superior ao PIB per capita, Portugal aparece em destaque como o terceiro com salários mais elevados da Europa.”

Relatório Eurydice.


comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana


Os ladrões de esquerda

PS - e seus apoiantes - ROUBAM A VIDA A 500.000 TRABALHADORES

OS FP DEVEM ESTAR MOTIVADOS APENAS POR TER EMPREGO!

Pois estão bem melhor do que as vítimas do SOCRATES GATUNO que endividou o país até à bancarrota, para pagar salários e pensões da FP…

Lançando 500.000 trabalhadores no desemprego!

Anónimo Há 1 semana

Trr

fpublico condenado a 48 anos trabalhoc/ 43 mpostos Há 1 semana

OS ANONIMOS ARMADOS AOS CÁGADOS, DEVEM MANDAR EMAIL PROS SR._S MINISTROS E PERGUNTAR POR QUE RAZÃO A CIGANADA E PPL DO PRIVADO E MUITOS DO PUBLICO NÃO TRABALHAM 48 ANOS E LEVAM AUMENTO DE 1.000€, OU SEJA, POR QUE RAZÃO HA XULOS K PASSAM DIAS A BRINCAR C/TELEMOVEL E A VIVER A CUSTA DOS OUTROS

fpublico condenado a 48 anos trabalhoc/ 43 imposto Há 1 semana

portugal esta cheio de xulos que é preciso obrigar a bulir.EM PORTUGAL HA DISCRIMINAÇÃO, UNS TRABALHAM SÓ 12 ANOS OU MAXIMO 36 ANOS TIPO MILITARES A BRINCAR AS GUERRAS, OUTROS SÃO OBRIGADOS A TRABALHAR 48 ANOS. DR. OLIVEIRA SALAZAR TINHA MAIS RESPEITO PELOS TRABALHADORES SERIOS E IDONEOS

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub