Ásia Governo japonês quer reforçar Defesa perante ameaça da Coreia do Norte

Governo japonês quer reforçar Defesa perante ameaça da Coreia do Norte

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, defendeu hoje a necessidade de se reforçarem as capacidades de Defesa para que o país possa "proteger-se a si mesmo", após os mais recentes avanços da Coreia do Norte.
Governo japonês quer reforçar Defesa perante ameaça da Coreia do Norte
Reuters
Lusa 11 de setembro de 2017 às 09:58

"Devemos tomar todas as medidas adequadas para evitar incidentes como o lançamento de um míssil norte-coreano sobre território japonês", afirmou Abe, durante um discurso perante responsáveis das Forças de Autodefesa (exército) do Japão.

O primeiro-ministro referia-se ao lançamento de um míssil balístico realizado em 29 de Agosto por Pyongyang, anterior ao sexto ensaio nuclear efectuado em 03 de Setembro.

Shinzo Abe também sublinhou a importância de "dissuadir a Coreia do Norte de empreender mais provocações", assinalando em concreto as manobras conjuntas que as tropas japonesas realizam regularmente com os Estados Unidos e Coreia do Sul, em declarações reproduzidas pela emissora pública nipónica NHK.

"Ninguém nos protegerá se não tivermos a mentalidade de nos protegermos a nós mesmos", enfatizou o líder conservador nipónico que, no entanto, qualificou de "vital" a aliança Tóquio-Washington.

O Japão, tal como a Coreia do Sul, apoia a iniciativa promovida pelos Estados Unidos para impor novas e mais duras sanções internacionais a Pyongyang, estando prevista para esta tarde uma votação do Conselho de Segurança das Nações Unidas de um projecto de resolução.

O primeiro-ministro japonês impulsionou uma reinterpretação da Constituição pacifista do Japão e um pacote legislativo destinado a conceder um papel mais activo às tropas japonesas, cuja capacidade para usar a força estava limitada pela Carta Magna a um cenário de invasão.

O Ministério da Defesa do Japão propôs, na semana passada, um orçamento recorde para 2018, que traduz o quinto aumento consecutivo sob o actual executivo, e que prevê a aquisição de equipamento específico para travar a crescente ameaça da Coreia do Norte e o auge militar da China no Pacífico.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Luis Há 1 semana

Sério? Vamos tentar adivinhar quem vai vender aos japoneses o reforço das defesas.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub