Segurança Social Governo lança campanha junto de 141 mil idosos para alargar o CSI

Governo lança campanha junto de 141 mil idosos para alargar o CSI

A campanha para fazer chegar o complemento solidário para idosos (CSI) a mais pensionistas vai arrancar no próximo mês. Dirige-se a 141 mil pessoas que o Governo acredita que podem ter direito ao apoio. A partir de Janeiro a GNR vai ajudar.
Governo lança campanha junto de 141 mil idosos para alargar o CSI
Miguel Baltazar/Negócios
Catarina Almeida Pereira 26 de Outubro de 2016 às 16:54

O Governo repôs no início do ano o valor de referência do complemento solidário para idosos (CSI) e em Abril voltou a actualizá-lo em 0,7%, o que à partida poderia alargar o universo de beneficiários. As estatísticas mostram, no entanto, que o número de beneficiários tem vindo a cair. A já anunciada campanha para divulgar este complemento destinado a completar rendimentos até ao limiar da pobreza vai arrancar em Novembro, revelou esta quarta-feira o ministro da Segurança Social, no Parlamento.

 

Numa primeira fase, a Segurança Social vai enviar cartas às 141 mil pessoas que o Governo acredita que teriam  condições para aceder ao apoio, mas que dele não beneficiam.  

 

"Serão à volta de 141 mil os idosos em relação aos quais vai ser particularmente direccionada esta campanha", afirmou o ministro da Segurança Social, em declarações aos jornalistas, no final da audição sobre o orçamento da Segurança Social.

 

Em causa estão pessoas "que teoricamente têm condições" financeiras para cumprir a prova de rendimentos que o apoio exige, mas que não o recebem.

 

GNR também vai ajudar

 

A partir de Janeiro, os militares da GNR também vão começar a divulgar informação sobre a Segurança Social, em particular nas áreas mais remotas, acrescentou o ministro.

 

"Está previsto no orçamento do Estado uma transferência de informação" de forma a que "em meios mais isolados, mais rurais", os agentes "possam também ajudar com formação adequada, como já fazem noutras áreas, como a violência doméstica."


Actualmente recebem este apoio cerca de 160 mil pessoas. O Governo já disse que vai actualizar o valor de referência ao nível da inflação no próximo ano. 

 

Dependendo de como a lei ficar formulada, uma actualização moderada do valor de referência pode atenuar o efeito dos aumentos extraordinários de pensões no próximo ano.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana


Os ladrões de esquerda

A MALTA DOS DIREITOS ADQUIRIDOS

É a malta dos direitos adquiridos a receber cada vez mais ao fim do mês...

e os restantes portugueses a receber cada vez menos, para sustentar essa gente!

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana


Os ladrões de esquerda

SÓCRATES GATUNO & COSTA LADRÃO, destroem 3 gerações de portugueses:

- Endividaram o país até à bancarrota.

- Deixaram dívidas e juros, para 3 gerações de portugueses pagarem.

Anónimo Há 1 semana


Os ladrões de esquerda

A MALTA DOS DIREITOS ADQUIRIDOS

É a malta dos direitos adquiridos a receber cada vez mais ao fim do mês...

e os restantes portugueses a receber cada vez menos, para sustentar essa gente!

pub