Zona Euro Governo mantém Centeno em jogo para liderança do Eurogrupo

Governo mantém Centeno em jogo para liderança do Eurogrupo

A substituição do holandês Dijsselbloem ainda vai demorar alguns meses e Merkel só vai a votos no final de Setembro, pelo que o Executivo mantém a porta aberta à saída do ministro das Finanças, noticia o Público.
Governo mantém Centeno em jogo para liderança do Eurogrupo
Bruno Simão/Negócios
António Larguesa 10 de abril de 2017 às 09:25

António Costa já disse que o ministro das Finanças Mário Centeno "seria um excelente presidente do Eurogrupo", mas que esse cenário não está nas "prioridades" do Governo português. Mas poderá vir a estar nos próximos meses?

 

Segundo escreve o jornal Público esta segunda-feira, 10 de Abril, o Executivo socialista ainda não fechou a porta a essa possibilidade, que depende de alguns factores externos. Desde logo, o momento da escolha. É que o actual presidente, Jeroem Dijsselbloem, foi derrotado nas eleições holandesas, mas a formação de um novo Governo pode demorar alguns meses e adiar a saída do Eurogrupo para o Outono.

 

Outras eleições, neste caso as alemãs, também podem condicionar esse processo. A disputa eleitoral em que Angela Merkel procura a reeleição no cargo está agendada apenas para 24 de Setembro, e só depois dessa votação é que deverá acelerar o debate previsto sobre a reforma da Zona Euro, sustenta o mesmo jornal.

 

Na segunda metade do ano, já com Portugal previsivelmente liberto do procedimento por défices excessivos, Mário Centeno poderá mesmo entrar na corrida pela liderança do Eurogrupo. E um dos maiores concorrentes ao cargo, o espanhol Luis de Guindos, começa agora a ser apontado à sucessão de Vítor Constâncio na vice-presidência do Banco Central Europeu (BCE).

 

No sábado, 8 de Abril, a secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, considerou que o facto de Centeno ter sido sondado para este cargo é a "demonstração" de que o partido e o país estão "no caminho certo". "Gostava muito de ver Mário Centeno como presidente do Eurogrupo porque sei que ajudaria também a Europa a mudar naquilo que tem sido a receita da austeridade imposta aos Estados-membros e em particular aos do Sul da Europa", frisou a dirigente socialista.

 

Outro dos potenciais concorrentes, o ministro italiano Pier Carlo Padoan, pode ser prejudicado por haver já três compatriotas a ocupar cargos de relevo na arquitectura institucional da União Europeia, assinala o Público, referindo-se a Mário Draghi (BCE), Federica Mogherini, que dirige as pastas da política externa e segurança a nível europeu, e ainda o líder do Parlamento Europeu, Antonio Tajani.

 

Na última reunião do Eurogrupo, Portugal esteve sozinho na confrontação a Dijsselbloem, tendo o secretário de Estado das Finanças de Portugal confirmado que nenhum outro responsável político fez qualquer comentário sobre este caso. À entrada para a reunião dos ministros das Finanças da Zona Euro, Ricardo Mourinho Félix pediu ao holandês que apresentasse um pedido de desculpas na reunião, mas Dijsselbloem reagiu prontamente, acusando Portugal de ter tido uma postura "chocante" neste processo.




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 11.04.2017

Mas porque insistem em chamar austeridade a uma reestruturação que se limita a despedir excedentários do sector público, e também do privado (veja-se o caso dos bancos), que representam oneroso factor trabalho mal-alocado. Excedentários esses que estiveram na origem da crise de equidade e sustentabilidade que se viveu e ainda vive em todo o mundo desenvolvido.

comentários mais recentes
Anónimo 11.04.2017

Mas porque insistem em chamar austeridade a uma reestruturação que se limita a despedir excedentários do sector público, e também do privado (veja-se o caso dos bancos), que representam oneroso factor trabalho mal-alocado. Excedentários esses que estiveram na origem da crise de equidade e sustentabilidade que se viveu e ainda vive em todo o mundo desenvolvido.

DJ viajante 11.04.2017

Ninguem vai querer um mentiroso provado e agora para alem disso um covarde tambem. Parem de envergonhar Portugal.

Anónimo 10.04.2017

Completamente patético! Vimos que: -o Schauble e os seus acólitos apoiaram o Dijsselbloem. -Na reunião do eurogrupo ninguém se pronunciou sobre o facto. Agora vieram com a estória, do 1 de abril, que o Centeno foi sondado para presidente do eurogrupo. Mas sondado por quem? Ridículo! Tenham vergonha

pertinaz 10.04.2017

CENTENO JÁ FEZ O FRETE QUE LHE EXIGIRAM

NÃO CONSEGUIU DEMITIR O CARLOS COSTA DO BdP

ESTÁ NA HORA DE IR EMBORA... COSTA DIXIT...

ver mais comentários
pub