Orçamento do Estado Governo não acredita que PSD e CDS dêem a mão ao PCP nas pensões

Governo não acredita que PSD e CDS dêem a mão ao PCP nas pensões

Pedro Nuno Santos lembra que PSD diz que Segurança Social está em pré-falência e que partido prometeu corte nas pensões de 600 milhões a Bruxelas.
Governo não acredita que PSD e CDS dêem a mão ao PCP nas pensões
Marta Moitinho Oliveira 07 de Novembro de 2016 às 12:59
"Descabido" e sem "qualquer sentido". É assim que o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares vê a possibilidade de PSD e CDS aprovarem uma proposta do PCP para garantir o aumento extraordinário de 10 euros para todas as pensões. Em entrevista à TSF/DN, Pedro Nuno Santos defende que o PSD não teria argumentos para apoiar uma subida nas pensões. 

Para o governante seria "verdadeiramente grave" que o PSD andasse "sistematicamente a dizer que a Segurança Social está em pré-falência e depois viabilizar uma proposta que implica aumento da despesa com as pensões quando ainda, por exemplo, a Bruxelas apresentaram um programa de estabilidade que previa uma poupança de 600 milhões de euros com pensões".

O PCP já sinalizou que apesar de estar satisfeito com a proposta de aumento de pensões incluída no Orçamento do Estado para 2017 vai insistir, durante o debate na especialidade, com uma proposta que permita compensar todos os pensionistas. PSD e CDS têm criticado o Governo por deixar de fora os pensionistas que viram as pensões actualizadas durante a sua governação.

Este ano, o PSD mudou de estratégia na votação do Orçamento, deixando de se abster em todas as propostas de alteração que venham a ser apresentadas, o que abre a porta, pelo menos no plano teórico, a que possa aprovar propostas de outros partidos. PSD, CDS e PCP somam 122 deputados, o suficiente para fazer aprovar uma alteração ao Orçamento.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub