Energia Governo pede ao regulador uma análise sobre aumento de preço da luz no mercado livre

Governo pede ao regulador uma análise sobre aumento de preço da luz no mercado livre

O Governo solicitou esta quinta-feira à Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) informação e análise sobre a existência de empresas em mercado livre a aumentar preços da electricidade "em outras componentes que não a do custo unitário de energia".
Governo pede ao regulador uma análise sobre aumento de preço da luz no mercado livre
Bruno Simão/Negócios
Lusa 28 de dezembro de 2017 às 14:19

Na sequência do anunciado aumento do preço da electricidade pela EDP Comercial, empresa que opera no mercado liberalizado, em contraciclo com a descida de 0,2% nas tarifas reguladas no próximo ano, o gabinete do secretário de Estado da Energia enviou uma carta à presidente da ERSE, em que solicita também "análise e eventual proposta de actuação no caso de a situação referida corresponder a alguma acção concertada".

 

A EDP Comercial, empresa líder do mercado livre de electricidade, está a comunicar aos seus clientes a actualização de preços da electricidade, referindo que "com a publicação das novas tarifas de acesso às redes pela ERSE e a actualização dos custos de energia, os preços da electricidade serão actualizados".

 

Na carta enviada esta manhã à ERSE, a que a Lusa teve acesso, Jorge Seguro Sanches admite a possibilidade de ser necessário "proceder à revisão de quaisquer normas legais ou regulamentares no sentido de os consumidores possam efectivamente beneficiar da descida das tarifas aprovadas para 2018".

 

O Governo informa ainda que determinou à Adene - Agência para a Energia que desenvolva, com urgência, uma campanha de informação, pedindo ao regulador que transmita "quais os aspectos mais relevantes que devem ser comunicados, por essa campanha de informação, aos consumidores e para que tenham acesso sempre às tarifas mais baixas do mercado".

 

Confrontado com esta carta, o presidente da EDP Comercial, Miguel Stilwell, disse desconhecer o conteúdo da missiva realçando apenas que a empresa opera em mercado livre.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
mr 28.12.2017

mas o regulador explica alguma coisa? Não é um lugar daqueles tipo Paula Costa?

General Ciresp 28.12.2017

Mais uma como as botijas de gaz.....Po-lo a encher tanques sem rolha era mais bem empregue,nao punha as pessoas a falarem sozinhas.O maduro ha espera dos perniles,e eles aqui a meterm nojo,enfim.

Camponio da beira 28.12.2017

Que é isso de Regulador?Expliquem-me lá como se eu fosse muito ministro.

pub