Política Governo português autorizou sobrevoo mas proibiu aterragem de avião de Evo Morales

Governo português autorizou sobrevoo mas proibiu aterragem de avião de Evo Morales

Aeronave com o presidente boliviano aterrou em Portugal para reabastecer na viagem para Moscovo. No regresso, o Governo português proibiu a aterragem por “considerações técnicas”. Nova escala será em Las Palmas.
Governo português autorizou sobrevoo mas proibiu aterragem de avião de Evo Morales
Bloomberg
Bruno Simões 03 de julho de 2013 às 14:16

O Ministério dos Negócios Estrangeiros explicou, ao início da tarde, a proibição de aterragem do avião presidencial da Bolívia em território luso. De acordo com o comunicado enviado às redacções, “foi concedida autorização de sobrevoo e aterragem ao avião presidencial da Bolívia no dia 28 de Junho, às 19h03, para o percurso La Paz/Moscovo e regresso”. O avião aterrou no aeroporto de Lisboa no dia 30 de Junho, para reabastecer, em direcção à capital russa.

 

Apesar de o avião do presidente Evo Morales ter autorização para aterrar em Portugal e sobrevoar o território, tudo isso foi cancelado no dia 1 de Julho, às 16:28, por “por considerações técnicas”. As autoridades bolivianas pediram esclarecimentos e o Governo português acabou por explicar, ainda nesse dia, que a autorização de sobrevoo do espaço aéreo português se mantinha, estando apenas cancelada a aterragem para reabastecimento, pelas mesmas “considerações técnicas”.

 

“Apesar de múltiplos contactos por via diplomática durante o dia 1 e durante o dia 2 de Julho, as autoridades bolivianas insistiram inicialmente em submeter junto das autoridades aeronáuticas internacionais um plano de voo que previa a aterragem em Lisboa para reabastecimento, plano que sabiam não seria possível cumprir como, repetidamente, fora em tempo comunicado”, prossegue o comunicado.

 

Face à iminência de o avião poder aterrar sem ter sido autorizado, “Foram tomadas as necessárias medidas junto das autoridades aéreas internacionais para evitar que fosse efectuada uma aterragem não autorizada em Lisboa”.

 

A Bolívia acabou por submeter esta terça-feira um plano de voo que apenas prevê que o avião presidencial sobrevoe Portugal, estando a aterragem para reabastecimento prevista para o aeroporto de Las Palmas. “Está autorizado hoje, como sempre esteve, o sobrevoo do território nacional”, prossegue o comunicado.

 

O Governo lamenta “qualquer incómodo” para a Bolívia, mas rejeita culpas e “considera-se totalmente alheio a esse incómodo”, porque “foram as autoridades bolivianas que durante quase 24 horas não aceitaram estudar um percurso alternativo e insistiram num procedimento que teria violado a soberania portuguesa”.

 

Avião boliviano também foi impedido de aterrar em França

 

O chefe da diplomacia boliviana, David Choquehuanca, acusou esta terça-feira Portugal e França de terem impedido a aterragem do avião presidencial, por suspeitas, que considerou “infundadas”, de que o informático Edward Snowden, que divulgou a vigilância em massa dos EUA sobre comunicações, estaria no seu interior.

 

O avião acabou por aterrar em Viena, capital da Áustria, onde foi revistado pelas autoridades locais, que não encontraram Snowden. Um diplomata boliviano considerou que a revista representou o rapto do presidente Evo Morales. “Estamos a falar do presidente ter sido raptado numa viagem oficial após uma cimeira oficial”, afirmou o embaixador da Bolívia na ONU, Sacha Llorenti Soliz, aos jornalistas em Genebra, citado pela “Reuters”.

 

Evo Morales esteve em Moscovo para participar numa conferência sobre energia. O avião com o presidente da Bolívia saiu de Moscovo às 10:45 de Lisboa, em direcção às ilhas Canárias, onde vai reabastecer.




A sua opinião16
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado casmc 03.07.2013

vergonhoso somos lacaios dos americanos

comentários mais recentes
APRNS 04.07.2013

Impedir de aterrar na Portela, onde aterram diariamente centenas de aviões de passageiros, um avião Falcon ( pequeno jacto) presidencial, com o presidente a bordo,de um país onde temos dois consulados alegando razoes técnicas. É no mínimo estranho e tem que ser justificado. Já nao bastava ao Paulo Portas ter trabalhado na criminosa reunião das Lages fazendo o frete aos falcões americanos de os ajudar a por as patas no,petróleo do Iraque (com a mentira de estado das armas de destruição que afinal não existiam) mas que já causaram mais de 150000 mortos civis. Também precisava agora de se por outra vez de cócoras perante os EUA pois havia a suspeita de que no avião estaria o tipo que denunciou a espionagem informática americana em todo o mundo e até nos EUA. Deve estar a preparar um novo ano sabático nos EUA, para voltar "puro e rejuvenescido qual fénix" daqui a uns tempos porque aqui a coisa está preta e o sabujo já foi topado pelo,povo! E por isso é sempre bom bajular o "amigo americano". Vamos ver quem, e o que vai responder a esta questão no Parlamento!

Anónimo 04.07.2013

Já começo a ter asco do meu país.

chaka 03.07.2013

Fizeram MUITO BEM.

Anónimo 03.07.2013

Lacaios do tio sam...

ver mais comentários
pub