Angola Governo português "respeita as decisões soberanas do governo angolano"

Governo português "respeita as decisões soberanas do governo angolano"

O ministro da Cultura, Luís Filipe de Castro Mendes, disse hoje à Lusa, em Paris, que "o governo português evidentemente respeita as decisões soberanas do governo angolano" em reacção ao anúncio de um nome para suceder ao presidente de Angola José Eduardo dos Santos.
Governo português "respeita as decisões soberanas do governo angolano"
Reuters
Lusa 02 de dezembro de 2016 às 22:21

"O governo português evidentemente respeita as decisões soberanas do governo angolano e só espera que em Angola as instituições evoluam", afirmou Luís Filipe de Castro Mendes, sublinhando não ter comentários a fazer por se tratar de "um assunto interno de Angola".

 

Ainda assim, o ministro disse pensar que "era de esperar" porque "ao fim e ao cabo, o tempo tem as suas leis".

 

"Nós não temos comentários a fazer. Angola é um país soberano com quem temos muito boas relações, que está na primeira linha da nossa atenção e da nossa sensibilidade externa e, portanto, se alguém disser alguma coisa será o senhor primeiro-ministro ou o ministro dos Negócios Estrangeiros e não o ministro da Cultura", concluiu.

 

O ministro da Defesa de Angola, João Lourenço, foi indicado pelo chefe de Estado e presidente do MPLA, José Eduardo dos Santos, para ser o candidato do partido a Presidente da República nas eleições de 2017, avançou hoje a rádio pública angolana.

 

José Eduardo dos Santos, chefe de Estado e líder do partido desde 1979, anunciou em Março que pretende abandonar a vida política em 2018.

 

O MPLA aprovou hoje uma resolução com o cabeça de lista do partido às eleições gerais de 2017 em Angola, mas sem oficializar o nome de João Lourenço. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 03.12.2016

Se ha pareceres que fazem VOMITOS,este e um deles.Ministros a monte nem sabem qual o lugar que tem de ocupar.SACANADA.

joao 02.12.2016

tambem era melhor que assim nao fosse, diria o abrolhos. A geringonça com o rei na barriga pensa que e dona disto tudo. Coitados a queda sera terrivel.

pub