Angola Governo português responderá a "nota verbal" de Angola "no prazo devido"

Governo português responderá a "nota verbal" de Angola "no prazo devido"

O Ministério dos Negócios Estrangeiros português confirmou hoje ter recebido "uma nota verbal" do Ministério das Relações Exteriores de Angola, à qual irá responder "no prazo devido".
Governo português responderá a "nota verbal" de Angola "no prazo devido"
Miguel Baltazar
Lusa 26 de setembro de 2017 às 19:41

"O Ministério dos Negócios Estrangeiros recebeu uma nota verbal do Ministério das Relações Exteriores de Angola, à qual responderá no prazo devido", disse à Lusa fonte oficial do Palácio das Necessidades, sem adiantar mais informações.

O jornal i noticiou hoje que o executivo angolano enviou uma nota de repúdio ao Governo português, em que acusa "as autoridades portuguesas" de enveredarem "por uma via manifestamente política que se traduz num ato inamistoso, incompatível com o espírito e a letra de relações iguais, as únicas que podem pautar o desenvolvimento da amizade e cooperação entre os dois Estados soberanos que se respeitam mutuamente".

 

Em causa está a constituição como arguido, por corrupção activa, do ex-vice-presidente de Angola, Manuel Vicente, que as autoridades angolanas dizem gozar de imunidade e, como tal, apenas ter de responder perante a justiça do seu país.

 

O Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, foi um dos convidados para assistir hoje à cerimónia de posse do novo chefe de Estado de Angola, João Lourenço.

 

Já na segunda-feira, o Presidente português reuniu-se em Luanda com José Eduardo dos Santos, que deixou o poder em Angola ao fim de 38 anos.

 

No final do encontro, Marcelo Rebelo de Sousa destacou a "aproximação" entre Portugal e Angola fomentada por José Eduardo dos Santos, mesmo com divergências pontuais.

 

Nesta deslocação a Angola, foi acompanhado pelo chefe da diplomacia portuguesa, Augusto Santos Silva, que, na segunda-feira, disse à Lusa ter cumprimentado o ministro das Relações Exteriores ainda em funções, Georges Chikoti.

 

O Governo português, pela voz do primeiro-ministro, António Costa, já garantiu que as relações bilaterais estão "óptimas", enquanto Santos Silva afirmou à Lusa, a partir de Luanda, que as relações são "normais" e "bem consolidadas".  

 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
antomarce 27.09.2017

Porquê no prazo legal, os assuntos tem todos a mesma importância, quem manda neste país é a burocracia, as respostas são por despacho, enfim, vestiram-lhe um fato de ministro e agora temos que o aturar. Baza, pá !

General Ciresp 26.09.2017

Nem mais.Ainda aguardo felizmente sentado senao ja tinha caido pelo desfecho do heroi do norte(de onde mais peria ser)que chamou CIGANA provavelmente a cigana.

pub