Finanças Públicas Governo prepara novo reembolso antecipado ao FMI

Governo prepara novo reembolso antecipado ao FMI

O Governo diz que já iniciou conversações com o Mecanismo Europeu de Estabilidade para obter autorização com vista a fazer um novo pagamento antecipado a Washington do empréstimo concedido no tempo da "troika".
Governo prepara novo reembolso antecipado ao FMI
Miguel Baltazar/Negócios
Paulo Zacarias Gomes 20 de abril de 2017 às 16:53

O secretário de Estado Adjunto e das Finanças revelou que o Governo está a preparar um novo reembolso antecipado ao FMI do valor do empréstimo concedido no âmbito do programa de assistência económica e financeira em 2011, de forma a baixar os custos com a dívida.


"Estamos já a discutir com o Mecanismo Europeu de Estabilidade uma nova autorização para antecipar pagamentos ao FMI, para reduzir o custo médio da nossa dívida. Estamos comprometidos a pagar a dívida e fazer o rácio [sobre o PIB] descer o mais depressa possível, mas num cenário sustentável," afirmou Ricardo Mourinho Félix, em entrevista à televisão norte-americana CNBC.

O valor do ou dos possíveis novos reembolsos não foi avançado, tal como também não foi adiantada nenhuma data para que venham a acontecer.


O governante refere que, depois do dinheiro injectado na Caixa Geral de Depósitos para a recapitalizar em condições de mercado e de o BCP ter deixado de beneficiar da ajuda de Estado, devolvendo o dinheiro público investido na instituição, "no próximo ano vamos estar numa situação para reduzir dívida", enquadrando nesta afirmação a intenção de devolver mais uma tranche ao FMI.


A 18 de Fevereiro passado, o primeiro-ministro, António Costa, anunciou que o país tinha reembolsado 1.700 milhões de euros do empréstimo do FMI, levando a que ficasse saldado metade do empréstimo concedido a Portugal no âmbito do resgate.

Em 2011, o país recebeu da instituição sediada em Washington um empréstimo de 26,3 mil milhões de euros no âmbito de um total de 78 mil milhões concedidos pela União Europeia e FMI. No final do ano passado, estavam por pagar cerca de 16 mil milhões de euros. Em Novembro, uma nova tranche de 2.000 milhões entrou nos cofres da entidade liderada por Christine Lagarde.

De acordo com as contas do Ministério das Finanças, a estratégia iniciada em Março de 2015 de reembolsar antecipadamente o FMI - que cobra juros mais altos do que os parceiros europeus - tinha proporcionado até Fevereiro passado poupanças de 900 milhões de euros em juros.

(Notícia actualizada às 17:09 com mais informação)




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 21.04.2017

Sim, um reembolso ao FMI e uma infinidade de leilões de emissão de mais dívida pública.

comentários mais recentes
pertinaz 21.04.2017

SEM SURPRESAS... PEDIR EMPRÉSTIMOS A JUROS ELEVADÍSSIMOS PARA MANDAR POEIRA PARA OS OLHOS DO POVÃO... PAGANDO AO FMI...

Anónimo 21.04.2017

SÍTIO MUITO MANHOSO, tu ou outro excedentário sindicalizado de carreira, no activo ou já na reforma, és um ladrão tão ladrão e parasita socioeconómico como qualquer corrupto ou bankster, seja ele da esquerda, do centro ou da direita. A praga do banditismo não tem nada a ver com simpatias partidárias.

Anónimo 21.04.2017

Há aqui pessoas a comentar sem ter a mínima noção do que falam, que para além de ignorantes, por vezes estúpidas mesmo, demonstram claramente serem também extremamente frustradas e mal-educadas. Comentam só para dizer salvas e aves à facção partidária que os levou a serem aquilo que são enquanto portugueses deste Portugal a saque, e atacar com a sua abjecta ordinarice a racionalidade séria e o conhecimento fundamentado.

Anónimo 21.04.2017

Sim, um reembolso ao FMI e uma infinidade de leilões de emissão de mais dívida pública.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub