Orçamento do Estado Governo prevê que factura com juros desça 440 milhões em 2018

Governo prevê que factura com juros desça 440 milhões em 2018

O Estado conseguiu um alívio com a despesa dos juros este ano. Mas o governo prevê uma descida mais acentuada em 2018.
Governo prevê que factura com juros desça 440 milhões em 2018
Miguel Baltazar/Negócios
Rui Barroso 14 de outubro de 2017 às 12:00

O governo prevê que a despesa com juros diminua em 440 milhões de euros no próximo ano para 7.126 milhões de euros, segundo a proposta do Orçamento do Estado, reflectindo as melhores condições de financiamento. Para 2017 a previsão é de que a factura diminua em 192 milhões de euros.

O fardo dos juros deverá descer de 3,9% para 3,6% do PIB no próximo ano. Em 2016 era de mais de 4%. Ainda assim, mesmo com estas reduções previstas, o fardo dos juros representará 8% da despesa pública no próximo ano.

"Os encargos com juros da dívida pública deverão apresentar uma diminuição acentuada, decorrente da melhoria das perspectivas para a economia portuguesa pelas principais agências de rating", é referido no documento. Além disso, as operações de gestão de dívida, como os reembolsos antecipados ao FMI permitem substituir dívida mais cara por nova dívida com juros mais baixos.

No caso dos empréstimos do FMI, por exemplo, o custo é de 4,2%, para uma maturidade média residual de 3,9 anos. Esta quarta-feira o Tesouro obteve um juro de 2,327% para se financiar a dez anos e de menos de 1% para emitir títulos a cinco anos.

Além disso, também à medida que vão vencendo títulos de dívida emitidos a custos mais elevados no passado, se consegue obter poupanças com juros. Esta segunda-feira, por exemplo, chega á maturidade uma linha de obrigações lançada em 2007, que tem uma taxa de cupão de 4,35%. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Nonagésimo Há 3 semanas

Aqui está a verdadeira razao do defice!
A povo enganado!!

pub