Orçamento do Estado Governo promete consolidação estrutural de quase mil milhões

Governo promete consolidação estrutural de quase mil milhões

No Orçamento do Estado para 2018, o Executivo espera fazer uma correcção estrutural que vale mais do dobro da que conta conseguir este ano.
Governo promete consolidação estrutural de quase mil milhões
Miguel Baltazar/Negócios
Marta Moitinho Oliveira 12 de outubro de 2017 às 16:54

O Governo espera uma redução do défice estrutural de 0,5% do PIB entre 2017 e 2018, apurou o Negócios. Isto significa que o Executivo conta fazer no próximo ano uma consolidação estrutural de quase mil milhões de euros.

A meta faz parte dos cálculos com que o Governo está a trabalhar para fechar o Orçamento do Estado para 2018 e segue-se a um ano em que a consolidação estrutural vale menos de metade do objectivo traçado agora para 2018.

No Programa de Estabilidade, de Abril, o Executivo apontava para uma correcção do saldo estrutural igual a 0,6% do PIB.

O saldo estrutural é um dos indicadores que a Comissão Europeia acompanha com mais atenção, já que ele permite medir o verdadeiro esforço de consolidação orçamental de um Executivo. Isto porque, enquanto o défice orçamental pode ser corrigido com a ajuda da economia e de medidas extraordinárias (como por exemplo receitas pontuais), o saldo estrutural é calculado descontado estes efeitos.   
 

A nova meta acontece numa altura em que o Executivo reduz o défice orçamental (de 1,4% para 1%, entre 2017 e 2018) e vê a economia a crescer, embora em desaceleração - as previsões de crescimento económico no OE serão de 2,6% e 2,2% este ano e no próximo. 



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub