Emprego Governo promete subsídio de desemprego mínimo de 421,3 euros

Governo promete subsídio de desemprego mínimo de 421,3 euros

O Governo promete alterar as actuais regras de atribuição do subsídio de desemprego para que ninguém possa ganhar menos que o valor do Indexante dos Apoios Sociais, actualmente em 421,32 euros.
Governo promete subsídio de desemprego mínimo de 421,3 euros
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 18 de janeiro de 2017 às 13:43

O ministro do Trabalho prometeu esta quarta-feira, dia 18, no Parlamento, mudar as actuais regras do subsídio de desemprego, de forma a que nenhum beneficiário possa ganhar menos que o valor do Indexante de Apoios Sociais (IAS), que está actualmente fixado em 421,3 euros.

O problema resulta da regra que impõe que, após seis meses de atribuição, o valor do subsídio de desemprego seja cortado em 10%, o que se aplica também quando já recebem o valor mínimo de subsídio, que coincide com o do IAS. Ou seja, ao fim de seis meses, há beneficiários que passam a receber menos que os 421,3 euros deste indexante.

O tema já tinha merecido a atenção do provedor de Justiça, que considerou que desta forma não está assegurado um mínimo de assistência material. Ontem, o DN escreveu que o Bloco de Esquerda e o Governo estavam a debater o tema, e que qualquer decisão só seria equacionada no próximo Orçamento.


Hoje, no Parlamento, Vieira da Silva afirmou, citado pelo Eco, que "irá tomar a iniciativa" de "colmatar essa lacuna". "O Governo tomará iniciativas nomeadamente tendo em conta a necessidade de dar resposta ao facto de existirem hoje pessoas que têm uma protecção no desemprego inferior ao IAS", acrescentou, considerando que tal "contraria uma das bases do nosso sistema de Segurança Social" e a "própria lei de protecção do desemprego".



 


 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
paulo silva Há 2 semanas

420 euros dá para ??????

Deuladeus 18.01.2017

Anónimo da recente emissão: o senhor a que se refere, devia aprender a fazer contas, e provavelmente vai, quando o senhor Anónimo aprender a escrever.

Anónimo 18.01.2017


A recente emissão a 10 anos foi a uma taxa de 4,2% , BEM SUPERIOR AO DA TROIKA (portanto matematicamente, fica mais barato pedir à troika do que ir ao mercado).

melhora-mos uma emissão de 6/12 meses em menos de 0.3%, e num empréstimo de 1.7MMN€
PAGAMOS mais 1% de juros para 4,2% relativamente ao ano passado para um empréstimo de 10 anos, de 3MM€

4,2% é o valor mais alto do ultimo ano, e define as perspectivas a longo prazo de economistas que não querem saber se é PS ou PSD querem é saber o risco que portugal vai/nao ai pagar o que deve.

E assim se vê que o senhor devia aprender a fazer contas entre o curto prazo e o longo prazo... é que os sucessivos maus governos nos vendem gato por lebre, apesar de haver muito boa gente a dizer a verdade há iluminados como você que só ouve o que lhe convem e não a realidade.

pub
pub
pub
pub